A irritabilidade é uma reação comum do ser humano. Imagine enfrentar aquele trânsito em dia de chuva quando você está atrasado para uma reunião importantíssima. É até natural que situações como essa nos deixem irritados.

Entretanto, o problema surge quando a irritabilidade se torna excessiva. Isto é, o mau humor deixa de ser apenas uma resposta orgânica e passa a ser um sintoma ou uma doença.

Para entender melhor o que é irritabilidade e o que fazer, aproveite o conteúdo preparado especialmente para te ajudar!

 O que é irritabilidade?

A irritabilidade é o estado emocional ou reação ocasionados por estímulos que provoquem raiva ou frustração, por exemplo.

Em geral, a pessoa irritada costuma mudar a sua postura e o seu comportamento. Em outras palavras, a irritação pode gerar atitudes desagradáveis como rispidez e surto emocional. Isso acontece porque ela diminui o controle dos impulsos e dos sentimentos. O grande problema está quando essa resposta, embora comum, passa a prejudicar o paciente e as pessoas à sua volta.

Mas é importante explicar que a irritação é algo bastante subjetivo e pessoal. Ou seja, o que irrita uma pessoa pode ser encarado com muita tranquilidade por outra.

Quais são os sintomas da irritabilidade?

Existem diversos sintomas da irritabilidade, que variam de pessoa para pessoa. Em geral, os sinais da pessoa irritada ou falta de paciência e irritação são divididos em dois grupos.

Sintomas físicos

A irritabilidade provoca sintomas físicos causadas por uma espécie de desarmonia no organismo, tais quais:

  • Elevação da temperatura corporal
  • Elevação da pressão sanguínea
  • Sudorese ou suores frios
  • Taquicardia
  • Vertigens
  • Contração muscular
  • Tremores
  • Dores de cabeça
  • Corpo
  • Desgaste físico
  • Cansaço
  • Estafa

Sintomas emocionais

A irritabilidade também causa sintomas emocionais. Dentre os principais estão:

  • Intolerância e impaciência: pessoas irritadas costumam ter um baixo nível de tolerância e paciência. Por isso, qualquer mínimo motivo pode tirá-las do sério.
  • Surto emocional: a irritabilidade excessiva pode fazer a pessoa passar do limite. Ou seja, gerar descontrole emocional, reações exageradas e atitudes extremistas.
  • Raiva e agressividade: o indivíduo muito nervoso e irritado pode se tornar agressivo em todos os sentidos. A raiva pode dificultar o raciocínio lógico e resultar em comportamentos rudes, que podem envolver até o uso da força física.
  • Pensamentos negativos: a pessoa irritada entra em um ciclo vicioso, pois a irritação constante gera pensamentos negativos. Quanto mais negatividade, maior é a tendência a desenvolver falta de paciência e irritabilidade.

Quais são as consequências da irritabilidade?

A irritabilidade excessiva gera consequências prejudiciais à saúde física e mental. Inegavelmente, viver em irritação constante altera o funcionamento de todo o organismo. Como resultado, o indivíduo fica mais suscetível a desenvolver diversas doenças e distúrbios.

Além disso, passa a ser mal visto ou classificado como chato, ranzinza e mal-humorado. Por certo, isso pode ainda prejudicar relacionamentos, o desempenho profissional, e até a capacidade de descansar e de se divertir.

O que causa a irritabilidade?

A irritabilidade pode ser decorrente de diversas razões. Isso porque é uma reação bastante pessoal, as causas variam de pessoa para pessoa.

Portanto, isso inclui o tipo de estímulo, a intensidade, como a pessoa processa o fato, a duração, o autocontrole e a sua forma de ver o mundo. Do mesmo modo, fatores como personalidade, experiências e maturidade também podem influenciar na irritabilidade ou em um surto emocional.

Além dessas circunstâncias comuns, a irritabilidade pode ser um sinal do organismo. Cansaço, prisão de ventre e dor de cabeça costumam provocar falta de paciência e irritabilidade. Isso vale também para a abstinência química e a reação a medicamentos. Já quando se fala em causas do mau humor feminino, não podemos deixar de citar a TPM (tensão pré-menstrual) e a menopausa.

Saúde física

A irritabilidade excessiva ou o mau humor constante podem ser sintomas de algumas doenças, como por exemplo:

  • Problemas na tireoide
  • Infecções
  • Colesterol alto
  • Alzheimer
  • Inflamação no fígado
  • Epilepsia
  • Doença de Wilson
  • Acidente vascular cerebral
  • Anemia ocasionada por ausência de ferro
  • Hipoglicemia

Saúde emocional

Excesso de nervosismo e irritação pode sinalizar que a saúde emocional não vai bem. Essa irritação constante pode ser um sintoma de:

Como tratar a irritabilidade?

O tratamento para a irritabilidade depende do diagnóstico clínico do paciente. Ou seja, não basta buscar por um remédio para irritabilidade ou um remédio para se acalmar. Isso vale inclusive para quem recorre a remédio natural para irritabilidade. É preciso uma avaliação profissional para checar a saúde como um todo. O objetivo é encontrar o agente causador da irritação.

Em alguns casos, trata-se de uma doença que requer cuidados específicos. Por outro lado, esse mau humor constante ou irritabilidade excessiva pode precisar apenas de uma mudança na rotina para ser superado.

Mas em quase todos os casos, a psicoterapia é a recomendação mais indicada. Isso porque a metodologia ajuda o paciente a compreender a sua própria irritação, conhecer as causas, e reconhecer os sinais de antecedem os surtos emocionais. Tudo isso faz com que o paciente aprenda a lidar com os seus problemas.

Outra recomendação é recorrer a atividades como yoga, meditação e mindfulness. Nessas opções, é possível desacelerar e buscar um equilíbrio mental e emocional. Sem dúvida, isso ajuda no autocontrole e a melhorar a irritabilidade excessiva de forma saudável.

Este artigo foi útil?

3.83

Você já votou neste post

Publicado por:

Rui Brandao

Publicado por:

Rui Brandao

Rui Brandão é médico, com experiência em Portugal, Brasil e Estados Unidos da América, e mestre em Administração pela FGV em São Paulo. Hoje é CEO & Co-fundador do Zenklub, plataforma de saúde emocional e desenvolvimento pessoal que oferece conteúdos, profissionais e ferramentas especializadas para mais de 1.5 milhões de pessoas no Brasil.