A depressão na adolescência atinge entre 10% e 20% dos jovens do mundo todo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. Além disso, muitos jovens não recebem o tratamento adequado. Isso porque ainda falta muita informação sobre a doença.

Dessa forma, os sintomas acabam sendo deixados de lado. Mas sem os devidos cuidados, os jovens podem desenvolver sérios comportamentos de risco.

O que é depressão na adolescência?

Em resumo, a depressão na adolescência é uma doença psiquiátrica que provoca alteração do humor e uma desordem emocional. Alterações químicas no cérebro que atrapalham a comunicação entre os neurotransmissores causam esse transtorno.

Com esse desequilíbrio, o adolescente fica triste, angustiado e irritado. Ou seja, esses sintomas podem tornar a vida de um jovem muito mais difícil. Isso porque essa doença prejudica a qualidade de vida e o seu desenvolvimento.

Mas, afinal, é depressão ou tristeza?

A depressão na adolescência é uma patologia. Por isso, é importante diferenciar a doença de uma tristeza comum que acontece normalmente quando passamos por problemas. A morte de um ente querido ou um problema amoroso, por exemplo, são situações difíceis.

Portanto, é normal se sentir triste. A tristeza é uma emoção natural e inerente do ser humano. Além disso, alguns momentos ruins infelizmente fazem parte da vida, porém, são passageiros.

No entanto, já no caso da depressão na adolescência, o sentimento de tristeza profunda é persistente. É como se a pessoa se tornasse incapaz de seguir adiante.

Portanto, não se trata de falta de vontade ou preguiça, mas sim uma doença.

Quais são os sintomas de depressão na adolescência?

Em geral, eles são os mesmos sintomas da depressão na fase adulta. Entretanto, algumas características são bastante específicas dessa faixa etária. Confira a lista abaixo:

Mudança de humor

Tristeza e angústia são os sinais mais conhecidos. A irritabilidade é uma alteração bastante característica dos jovens. Por isso, é comum o adolescente apresentar mau humor excessivo, agressividade, reações exageradas e explosivas.

Mudanças de comportamento

Sintomas de depressão na adolescência bem clássicos são: falta de animação, baixa autoestima, apatia e tédio. Dessa forma, frases como “ninguém me entende”, “nada vai dar certo” pedem atenção. Além disso, se isolar e a perder a vontade de fazer atividades que antes o adolescente gostava são sinais de alerta.

Queda no rendimento escolar

Ter problemas na escola é um sintoma bem específico. A depressão diminui a concentração, raciocínio e memorização. Dessa forma, o aluno enfrenta problemas em aprender toda a matéria. Também pode ficar mais disperso ou dormir durante a aula. Além disso, geralmente as faltas começam a ser mais comuns.

Alterações no sono e no apetite

Depressão e ansiedade na adolescência causam alterações no sono e apetite. O jovem sofre de insônia, tem muitos pesadelos ou dorme mais do que o habitual. A fome também pode aumentar ou reduzir.

Sintomas físicos

A depressão na adolescência também apresenta sintomas físicos. Os mais comuns estão: dores musculares, dor de barriga, constipação, dor de cabeça e enxaqueca, bruxismo, dentre outros.

Automutilação

A automutilação é um sintoma que se inicia, geralmente, na adolescência. O jovem pode fazer cortes, queimaduras e machucados pelo corpo, como se fosse uma forma de aliviar a dor emocional. Essas feridas costumam estar em locais mais discretos ou que estão cobertos como barriga, coxa e pés. Fique atento.

Pensamento sobre suicídio

A depressão na adolescência pode fazer com que o jovem pense sobre suicídio. Fique atento sobre o que o adolescente anda pesquisando, comentários sobre a morte ou coisas do tipo.

Depressão na adolescência: causas

A depressão na adolescência não tem uma causa única. Na verdade, a doença vem de uma série de fatores internos e externos. Isso inclui genética, doenças crônicas, ambiente em que vive e as pessoas ao seu redor. Abuso, violência ou a sua vulnerabilidade influenciam também.

O que é possível dizer sobre as causas da depressão na adolescência é que essa fase já é por si só muito difícil. Isso porque o jovem vive um momento de transição entre a infância e a vida adulta. Ao mesmo tempo, essa fase é cheia de novas experiências e emoções.

Todo esse turbilhão de sentimentos deixam o jovem mais suscetível a enfrentar uma depressão na adolescência. Mas é claro que isso não significa que todo adolescente vai ter o transtorno depressivo.

Teste de depressão

O diagnóstico nem sempre é simples, mas podemos ajudar. Faça nosso teste de depressão e entenda os níveis de depressão. O questionário leva menos de 3 minutos para fazer e é uma adaptação do teste PHQ  – Patient Health Questionnaire.

Qual é o tratamento para depressão na adolescência?

O tratamento precisa tanto do apoio profissional quanto do familiar. Nessa fase, é mais recomendado que os cuidados sejam feitos apenas com psicoterapia. O processo é feito em médio a longo prazo. Ou seja, as sessões frequentes precisam acontecer por pelo menos um ano. Além disso, esse cuidado ajuda a reduzir o risco de um novo diagnóstico de depressão.

Existem tipos de depressão na adolescência e níveis de transtorno em que o psiquiatra pode prescrever alguma medicação. Em geral, são utilizados antidepressivos em conjunto com o trabalho do psicólogo.

Caso você suspeite que o adolescente está passando por algum transtorno psiquiátrico como ansiedade e depressão, é fundamental buscar ajuda médica. O diagnóstico deve ser feito o mais rápido possível. Isso ajuda a começar o tratamento cedo e evitar complicações que podem ser muito sérias.

O Zenklub é a maior plataforma de vídeo-consultas com especialistas em bem-estar emocional. Encontre um especialista em adolescência para ajudar

Este artigo foi útil?

4.11

Você já votou neste post

Publicado por:

Rui Brandao

Publicado por:

Rui Brandao

Rui Brandão é médico, com experiência em Portugal, Brasil e Estados Unidos da América, e mestre em Administração pela FGV em São Paulo. Hoje é CEO & Co-fundador do Zenklub, plataforma de saúde emocional e desenvolvimento pessoal que oferece conteúdos, profissionais e ferramentas especializadas para mais de 1.5 milhões de pessoas no Brasil.