Como viver o luto de maneira saudável

09 outubro, 2020 |

Você já votou neste post

Onde ouvir também:

Viver o luto não é fácil, mas é algo que eventualmente passamos no transcorrer de nossas vidas. 

Inconstante e individual, o luto se manifesta de maneira única para cada pessoa e cada perda. Por mais que convenções e expectativas sociais tenham consolidado uma imagem do que é viver o luto, é irreal imaginar que todos passarão por essa fase no mesmo passo e pelo mesmo caminho.

Além disso, o luto não diz respeito somente a perdas de pessoas queridas. Como Mariana Clark, psicóloga e especialista no tema, explica, o luto é experienciado em outras circunstâncias também – e, em todas, é possível vivê-lo de maneira saudável.

Leia o texto até o fim para descobrir um pouco do que Mariana compartilhou conosco no episódio “Vivendo a perda e o luto de maneira saudável” do Zencast, nosso podcast sobre saúde emocional.

O que é o luto?

O luto é um processo natural, desencadeado pelo rompimento de qualquer vínculo afetivo. Ou seja, uma manifestação normal frente a uma perda. Se existe vínculo e se existe rompimento desse vínculo, o indivíduo necessariamente entra em processo de luto. E o processo de luto é o que há de mais individual, conflituoso e desorganizador que nós, seres humanos, vivemos.

É assim que Mariana responde à primeira pergunta feita por Izabella Camargo, apresentadora do Zencast. A partir daí, já temos um ponto central muito importante a ser apreendido: viver o luto não é uma escolha, ele é uma reação natural pela qual passamos quando perdemos algo ou alguém que nos é muito caro.

Dessa maneira, com o desenrolar da vida, nós acumulamos lutos, tendo conhecido diferentes perdas que devem ser reconhecidas.

Tipos de luto

  • Morte de uma pessoa querida;
  • Divórcio ou término de um relacionamento;
  • Infertilidade;
  • Perda gestacional;
  • Aposentadoria;
  • Morte um animal de estimação;
  • Síndrome do ninho vazio;
  • Demissão de um colega de trabalho;
  • Perda de emprego.

Esses são somente alguns dos exemplos para ilustrar a pluralidade de situações que nos colocam nesse estado de pesar.

Por que viver o luto?

Seja porque temos que lidar com uma dor arrebatadora, ou seja porque pressões externas pedem que sejamos frios e práticos (ou, ainda, por motivações mais individuais), é comum que decidamos por não viver o luto.

Contudo, ao não passar pelo processo de encontrar maneiras de encarar a perda, elas tendem a se acumular de formas pouco produtivas.

Isso porque o luto é nosso momento de despedida, de enfrentamento da vida e da morte, de possibilidade de autoconhecimento e de transformação – por mais difícil que possa ser quando a perda é muito grande. 

Fingir que esse processo não existe é perder a oportunidade de encontrar esse amadurecimento. Enquanto que, do outro lado, aumentam-se as aflições e agravam-se ou criam-se casos de ansiedade e depressão, por exemplo, no médio e longo prazo. 

Então, como viver o luto de maneira saudável?

A fim, portanto, de evitar maiores complicações, é preciso receber o luto, encontrar sua própria forma de vivê-lo e, então, deixá-lo passar, em seu tempo – mesmo que a dor da perda retorne em vários outros momentos da vida.

Ou seja: não procure viver o luto como outra pessoa, nem espere que o luto por uma perda será igual ao de outra; permita-se viver toda e qualquer emoção que vier, sem julgamento de valor; e deixe que o luto tenha sua intensidade e seu tempo, já que seu fim não necessariamente quer dizer que você se esqueceu da perda.

Mas, para você entender mais a fundo como viver o luto de um jeito construtivo e respeitoso a si mesmo, ouça o episódio completo com a Mariana Clark. Para isso, clique no play no topo da página ou clique aqui para acessar nosso Spotify.

Convidado

Mariana Clark

Especialista em luto, Mariana Clark é psicóloga e investe sua carreira em como viver as diferentes perdas que acumulamos com o tempo. Também é mentora Top2You.

Mostrar comentários

Deixe seu comentário

13524