ansiedade é um reação natural que todos nós sentimos em algum momento. No entanto, quando os sintomas da ansiedade se tornam muito intensos e frequentes, passam a afetar negativamente a vida das pessoas.

Às vezes, a sensação de ansiedade se torna parte da rotina. Ou seja, o sentimento deixa de ser uma simples reação ou emoção, e passa a ser um transtorno de ansiedade generalizada. Nessas horas, é preciso ter em mente que há formas de controlar e tratar, e, por isso, vamos aprofundar no tema para que você saiba qual o seu próximo passo rumo ao seu bem-estar.

Quais são os sintomas de ansiedade?

Como já dissemos, existem diversos tipos de ansiedade e cada um deles tem suas características únicas, se manifestando de maneira diferente em casa pessoa. Mas os sintomas da ansiedade se manifestam tanto no físico, quanto no emocional. No entanto, vira lembrar que cada um sente os efeitos de ansiedade de um jeito diferente. Ou seja, não é porque existe muitos sintomas que você vai sentir todos eles. Por isso, fizemos uma lista com 100 sintomas de ansiedade, confira e fique atendo a eles:

Sintomas físicos da ansiedade:

  • Respiração ofegante;
  • Falta de ar;
  • Falta de apetite;
  • Dormência;
  • Formigamento;
  • Palpitações;
  • Suor excessivo;
  • Mãos frias;
  • Ondas de calor;
  • Visão turva;
  • Sensação de engasgo;
  • Dores no peito;
  • Taquicardia;
  • Fala acelerada;
  • Sensação de tremor;
  • Vontade de roer as unhas;
  • Dor de barriga;
  • Dores abdominais;
  • Agitação nas pernas;
  • Agitação nos braços;
  • Tensão muscular;
  • Dores nas costas;
  • Dores nos músculos;
  • Engasgo;
  • Cansaço extremo;
  • Tontura e sensação;
  • Desmaio;
  • Perda de peso fora do normal;
  • Ou, ganho de peso fora do normal;
  • Enjoo;
  • Vômitos;
  • Zumbidos no ouvido;
  • Ruídos na cabeça
  • Irritabilidade;
  • Dores de cabeça;
  • Boca seca;
  • Reações no fígado;
  • Problemas de garganta;
  • Função respiratória mais fraca
  • Urgência para ir ao banheiro;
  • Hipersensibilidade de paladar;
  • Ou, falta de paladar;
  • Insônia.

Sintomas da ansiedade relacionados ao coração:

Além disso, há ainda alguns sintomas relacionados ao coração, como por exemplo:

  • dores do peito;
  • sensação de sufocamento;
  • ritmo irregular do coração;
  • aperto na costela;
  • aperto na região do tórax;
  • necessidade de recuperar o fôlego.

Sintomas da ansiedade relacionados ao rosto:

A ansiedade é um transtorno psicológico, mas pode nos afetar tanto no aspecto emocional como no físico. Por isso, podemos perceber seus efeitos até mesmo em nosso rosto, olhos e ouvidos. Como por exemplo:

  • Pontadas de dor no rosto;
  • e também na cabeça;
  • Dor na mandíbula;
  • Sintomas de bruxismo;
  • Audição reduzida;
  • Zumbido nos ouvidos;
  • Além disso, uma sensação de algo preso nos ouvidos;
  • Dores dos olhos;
  • Sensibilidade à luz.

Sintomas psicológicos da ansiedade:

Os sintomas psicológicos merecem uma atenção especial. Isso porque, diferentemente dos físicos, às vezes as pessoas demoram para reconhecer que algo está errado quando os sintomas são em sua maioria psicológicos. Por isso, é fundamental prestar atenção e dar a devida importância para esses sintomas:

  • Preocupação excessiva;
  • Compulsão alimentar;
  • Dificuldade de concentração;
  • Perda de memória de curto prazo;
  • Pesadelos;
  • Dificuldade na aprendizagem;
  • Depressão;
  • Dificuldade no trabalho;
  • Despersonalização;
  • Dificuldade nos relacionamentos;
  • Variação de humor extrema;
  • Vontade de chorar;
  • Sentir que está sob pressão o tempo todo;
  • Nervosismo;
  • Hiperatividade;
  • Pensamentos repetitivos;
  • Angústia;
  • Problemas com falar em público;
  • Ficar muito assustado;
  • Dificuldade em enfrentar mudanças;
  • Inquietação;
  • Dificuldade de relaxar;
  • Dificuldade em conversar com familiares;
  • Pensamentos ligados à doenças;
  • Pensar em coisas ruins;
  • Medo de morrer;
  • Achar que está prestes a morrer;
  • Medo de estar em público;
  • Falta de libido;
  • Medo constante;
  • Dificuldade em lidar com situações adversas;
  • Medos irracionais;
  • Pensamentos obsessivos;
  • Perfeccionismo mas de uma maneira extrema;
  • Medo de falar em público;
  • Medo de ser julgado;
  • Fazer coisas repetidas;
  • Além disso, uma sensação de que pode-se perder o controle;
  • Paranóia;
  • Tudo está normal, mas você tem a sensação de que algo ruim vai acontecer;
  • Desequilíbrio dos pensamentos;
  • Ver perigo em tudo.

Por isso, é preciso ficar atento a esses sintomas e caso eles passem a atrapalhar seu dia a dia você deve procurar ajuda.

Sobre isso, o psicólogo Massashi Saito cita:

Mas é importante entender que ansiedade não é algo tão ruim. Ou seja, uma pessoa pode se sentir ansiosa quando acha que existe um risco futuro ou uma ameaça. No entanto, o problema é quando você perde o controle e a duração desse sentimento bem como não ter o controle daquilo que é real.

Veja mais detalhes nesse infográfico:

Teste de ansiedade

O diagnóstico nem sempre é simples, mas podemos ajudar. Por isso, faça nosso teste de ansiedade e descubra seu nível de ansiedade. O questionário leva menos de 3 minutos para fazer e é uma adaptação do teste científico GAD – Generalized Anxiety Disorder 7.

O que você sente é medo ou ansiedade?

Mas, é comum confundirmos medo com crise de ansiedade. Por isso, você pode aprender a diferenciar os dois, ao perceber se esse medo está se tornando uma fobia.

Além disso, fobias exageradas ou medo em excesso também estão na lista de sintomas do transtorno de ansiedade. Ou seja, tanto o medo de que alguém entre em sua casa, ou de estar perto de muitas pessoas, a partir do momento em que isso se torna uma fobia, pode atrapalhar o seu dia a dia.

Além disso, o excesso de qualquer um desses sintomas é preocupante e pode ser um sinal de que o acompanhamento profissional é necessário.

Ansiedade ou depressão?

A depressão também tem sintomas parecidos com os sintomas de ansiedade, mas ambos podem inclusive ocorrer simultaneamente. Por exemplo, segundo estudo, 2% dos casos de pessoas com diagnóstico de depressão também apresentam transtornos de ansiedade; enquanto 24% das pessoas com diagnóstico de ansiedade, se tornam depressivas.

Isso porque, tanto em ansiedade, quanto em depressão, os pensamentos negativos sobre si próprio e sobre a vida são comuns. Observa-se também, maior introspecção, a fim de evitar lidar com os sintomas. Além disso, ambos os casos apresentam disfunções neurológicas em seus transmissores, interferindo na produção de serotonina.

Por que sinto ansiedade e cheguei a esse ponto?

Às vezes, pacientes chegam ao consultório já sabendo que têm ansiedade. No entanto, muitas vezes as pessoas não conseguem identificar que os sintomas que estão sentindo fazem parte de um quadro de ansiedade. Por isso, a pergunta de “como cheguei a esse ponto?” é tão delicada.

Ainda assim, é necessário que o profissional analise bem a situação num geral, pois existem muitas razões que podem ter levado à esse momento. Além disso, é importante é que o tratamento seja efeito, para amenizar os sintomas e possibilitar que a pessoa tenha uma melhor qualidade de vida e saúde emocional.

Mas o psicólogo Massashi Saito cita:

É preciso compreender que estar ou ser ansioso é algo muito sugestivo, e precisa ser bem analisado, pois existem inúmeras razões para que uma pessoa possa se enquadrar na ansiedade. Pode ser um momento e/ou uma fase que o paciente está vivenciando ou uma característica de sua personalidade. Mas se isso está incomodando, atrapalhando e interferindo em sua vida, em ambos os casos é possível trabalhar isso na psicoterapia.

O que fazer em uma crise de ansiedade?

Em uma situação de crise, deve-se sempre procurar ajuda profissional, até porque a terapia é um ótimo remédio. Não tem receita pronta, pois cada um é cada um. Mas, quanto antes for procurar ajuda melhor, isso evita que o medo tome conta da situação.

Como controlar a ansiedade?

Vale lembrar que nada funciona 100% para todo mundo, mas há algumas estratégias para você praticar que podem ajudar a controlar a ansiedade e os seus sintomas. Veja as 15 dicas práticas:

  • Pratique atividades físicas regularmente;
  • Pratique meditação;
  • Faça exercícios de respiração;
  • Seja mais organizado;
  • Tenha foco e ocupe-se com o presente;
  • Além disso, fique mais tempo com quem você ama;
  • Confie em você;
  • Controle o seu estresse;
  • Tome um chá ou um suco de maracujá e um banho morno;
  • Pratique o autoconhecimento;
  • Valorize seu momento de descanso. Além disso, preserve suas horas de sono;
  • Evite pensamentos negativos;
  • Além disso, inclua na sua dieta alimentos com triptofano (eles ajudam na manutenção dos seus neurotransmissores);
  • Mas dedique momentos para cuidar de você;
  • Mentalize pensamentos positivos;

No entanto, se mesmo adquirindo boas práticas, você ainda se sentir desconfortável com os sintomas, não deixe de procurar a ajuda de um psicólogo online ou presencial. Sendo assim, ele poderá te ajudar a criar novas ferramentas de controle e te ajudar a viver muito melhor.

Além disso, o Zenklub é a maior rede vídeo-consultas com especialistas em bem-estar emocional, onde você tem acesso a mais de 100 especialistas a qualquer hora, de qualquer lugar.

Este artigo foi útil?

3.93

Você já votou neste post

Publicado por:

Rui Brandao

Publicado por:

Rui Brandao

Rui Brandão é médico, com experiência em Portugal, Brasil e Estados Unidos da América, e mestre em Administração pela FGV em São Paulo. Hoje é CEO & Co-fundador do Zenklub, plataforma de saúde emocional e desenvolvimento pessoal que oferece conteúdos, profissionais e ferramentas especializadas para mais de 1.5 milhões de pessoas no Brasil.