A sertralina é um antidepressivo bastante eficaz, encontrado por nomes comerciais como Serenata, Zoloft e Assert. Conheça a seguir mais informações sobre essa medicação. Para que serve a sertralina? Quais são os efeitos colaterais da sertralina? Sertralina engorda? Sertralina dá sono? Descubra essas respostas e outras informações a seguir. E lembre-se que o seu uso deve ser exclusivamente sob prescrição e acompanhamento médico.

Introdução

A sertralina é o nome de um princípio ativo importante na classe dos inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRS). Lançado na década de 1990, o cloridrato de sertralina chegava ao mercado trazendo uma nova perspectiva aos pacientes. Em outras palavras, fazia parte da nova geração dos antidepressivos, que atuam através dos neurotransmissores serotoninérgicos.

Por isso, a dúvida: “sertralina ou fluoxetina” intriga pacientes e especialistas até hoje. De fato, a verdade é que não existe melhor ou pior, mas sim, a medicação mais indicada para cada paciente. Por certo, a consolidação dessa substância no mercado aconteceu por conta da sua evolução farmacológica. Isso porque sua fórmula provoca menos efeitos colaterais considerados ruins. Além de pesquisas, há diversos relatos positivos no quesito “sertralina depoimentos”.

Para que serve a sertralina

Em suma, é uma medicação que serve para aumentar a disponibilidade de serotonina – um neurotransmissor que regula o humor, entre outras funções. Ou seja, trata os sintomas das seguintes doenças:

Quando falamos sobre para que serve a sertralina é importante destacar também seu papel preventivo. Ou seja, após obter resultados satisfatórios, a indicação dessa medicação também pode evitar recaídas e a recorrência de outros episódios depressivos.

Quais são as contraindicações?

De acordo com a bula da sertralina, a contraindicação dessa medicação acontece nas seguintes situações:

  • Pacientes com hipersensibilidade ao cloridrato de sertralina ou a qualquer um dos componentes da medicação
  • Essa substância não deve ser utilizada simultaneamente com inibidores da monoaminoxidase (IMAOs)
  • A setralina não deve ser administrada com a pimozida
  • Crianças com menos de 6 anos de idade

Precauções e advertências

Antes de mais nada, sertralina é um medicamento que deve ser utilizado somente com prescrição e acompanhamento psiquiátrico. Por isso, é importante sempre informar o seu médico sobre outras doenças, histórico de saúde ou tratamentos em andamento. Principalmente porque o cloridrato de sertralina requer precauções e cuidados em alguns casos, como por exemplo:

  • Diabete
  • Osteoporose
  • Problemas o olho (midríase, glaucoma, pressão ocular)
  • Gravidez
  • Lactação
  • Uso de medicamentos triptanos, inibidores da monoaminoxidase (IMAO) ou outros antidepressivos
  • Histórico ou ativação de mania ou hipomania
  • Convulsão e epilepsia

Risco de piora clínica e suicídio

É importante ressaltar que o tratamento com o remédio sertralina pode acarretar piora do quadro clínico. Embora seja um medicamento que visa tratar o problema, algumas pessoas podem reagir de maneira inversa. Portanto, é essencial que pacientes e familiares estejam cientes desse risco de agravamento e pensamentos suicidas. Além disso, informe sempre o seu médico sobre o seu estado de saúde, alterações, sintomas etc.

Efeitos colaterais

A maioria dos pacientes não apresenta reações adversas. No entanto, existe a possibilidade de o paciente apresentar alguns sintomas – assim como qualquer outro medicamento. Dentre os mais comuns, os efeitos colaterais são:

  • Dor de cabeça
  • Tontura
  • Sensação de cansaço ou fraqueza
  • Insônia
  • Sonolência
  • Aumento ou redução do apetite
  • Boca seca
  • Náusea
  • Diarreia
  • Diminuição do desejo sexual

Em geral, os efeitos colaterais da sertralina ocorrem no início do tratamento. Mas, essa sensação tende a sumir conforme o organismo se acostuma com a medicação. Caso esses sintomas persistam ou incomodem, é imprescindível avisar o seu médico.

Nomes comerciais

A sertralina possui dois remédios que são referência: Tolrest (Biosintética) e Zoloft (Pfizer) – pioneiros no mercado. A partir deles, surgiram outras medicações que recebem nomes comerciais como por exemplo:

  • Assert
  • Dieloft
  • Serenata
  • Seronip
  • Serpax
  • Zoltralina

Além desses medicamentos, o cloridrato de sertralina pode ser encontrado ainda em opções genéricas, devidamente sinalizadas.

Dúvidas

Sertralina dá sono?

Em alguns pacientes, pode dar sono. De fato, ao checar os efeitos colaterais na bula da sertralina, encontramos a sonolência. Em outros casos, esse efeito também pode ser consequência da insônia. O início do tratamento pode incluir noites com pouco descanso, e a vontade de dormir pode vir em horários indesejados.

Setralina engorda?

A sertralina pode causar algumas alterações no sistema digestivo e no apetite. Por conseguinte, isso pode proporcionar ganho ou perda de peso. Mas estudos indicam que isso acontece no início do tratamento. Então, com o tempo, o corpo tende a voltar à forma física anterior.

Sertralina e álcool: pode ou não pode?

Embora não seja uma contraindicação, é recomendado que durante o uso do remédio sertralina, o paciente evite o consumo de bebidas alcoólicas. Isso porque sertralina e álcool juntos podem causar prejuízos ao fígado e até mesmo ao cérebro. Além disso, o efeito da medicação pode ser potencializado ou anulado, agravando a condição clínica. Portanto, evite essa combinação.

As informações desta página foram disponibilizadas com fins puramente informacionais. Em hipótese alguma, elas devem embasar a autoprescrição ou indicação para terceiros. Sempre consulte um especialista sobre qualquer assunto relativo à sua saúde mental.

Este artigo foi útil?

5

Você já votou neste post

Publicado por:

Rui Brandao

Publicado por:

Rui Brandao

Rui Brandão é médico, com experiência em Portugal, Brasil e Estados Unidos da América, e mestre em Administração pela FGV em São Paulo. Hoje é CEO & Co-fundador do Zenklub, plataforma de saúde emocional e desenvolvimento pessoal que oferece conteúdos, profissionais e ferramentas especializadas para mais de 1.5 milhões de pessoas no Brasil.