Yoga, respiração e meditação com Célia Berlim

25 fevereiro, 2021 |

5

Você já votou neste post

Onde ouvir também:

Tivemos um papo super rico com Célia Berlim, instrutora do Método DeRose, Yoga, Meditação e Respiração em nosso podcast de saúde emocional, o Zencast. Para saber mais sobre o tema, ouça o episódio no player e leia o artigo abaixo.

É um consenso mundial que o mundo moderno nos deixa completamente acelerados, já que estamos sempre cheios de compromissos, tarefas, cobranças e autocobranças, e não podemos esquecer do estresse. Muitas vezes, negligenciamos o cuidado com a nossa mente e o nosso corpo.

É cada vez mais difícil entender as necessidades do nosso corpo e, para entender conseguir, ouvir a si mesmo é a melhor maneira de saber qual coisa está fora do lugar. Mas com tantas turbulências, pensamentos cada vez mais rápidos, ansiosos e intrusivos, estamos nos distanciando da resposta com muita frequência.

Por isso, convidamos a instrutora do Método DeRose, Célia Berlim, para nos apresentar o Método DeRose, que usa de técnicas variadas em respiração, yoga e meditação capazes de solucionar esses problemas por completo. Veja os 5 principais benefícios cientificamente comprovados da prática:

Inserir a prática do yoga na rotina traz vantagens únicas e pode resolver, muitas vezes, problemas que você nem imagina. Continue o artigo para entender como e no quê as práticas podem resolver as questões que você quer evoluir:

Método DeRose: yoga, meditação e respiração

O Método DeRose é constituído por um conjunto de conceitos e técnicas (de força e flexibilidade, respiratórias, de concentração, de descontração e outras) que proporcionam qualidade de vida e alta performance.

Somos capazes de fazer uma “reprogramação emocional” quando focamos a mente e condicionamos mente e corpo conjuntamente. O Método DeRose é capaz de unir técnicas e teorias que, quando colocadas em prática, causam esse mesmo efeito em nossas vidas.

Ele é ensinado em centenas de escolas pelo Brasil e no mundo, e consiste em misturar e adotar técnicas variadas de yoga, meditação e respiração que ampliam o autoconhecimento, a autopercepção, e propiciam o olhar de saúde integrada entre mente e corpo. A instrutora explica: 

“Nós temos dois pilares práticos, e o primeiro deles é a respiração. Os pilares práticos são aqueles que moldam o ser humano, para entrar em contato com o nosso corpo, as nossas sensações, as nossas emoções. Adquirindo assim mais energia, mais disposição.

O outro pilar é o comportamento, como a gente se relaciona com o mundo. O nosso papel na sociedade, e como a gente vai interferir mais na sociedade pra construir um mundo melhor, mais justo e mais ético mais aliado a quem somos. Autoconhecimento e estilo de vida para as pessoas se tornarem mais protagonistas da sua própria vida.”

Respiração como ferramenta de autoconhecimento

Olhar para dentro, ouvir os próprios sentimentos e pensamentos são formas de conquistar o equilíbrio entre corpo, mente e emoções. Mas como isso acontece na prática?

Há uma relação direta entre a oxigenação do cérebro e seus estados emocionais e mentais. A respiração mais profunda é suficiente para te colocar de volta no eixo e responder de forma mais inteligente a um estímulo negativo, por exemplo.

Lembra daquele conselho quando tudo parece dar errado: “calma, respira”? Essa é a explicação mais clara do poder da respiração. Um dos elementos mais importantes para conseguirmos silenciar os pensamentos acelerados e intrusivos – que acontecem em casos de transtorno de ansiedade, por exemplo – é o domínio da nossa respiração. Célia conta:

“A respiração faz com que você se conecte mais com seus ritmos internos. Você sai do automático na hora que você traz a respiração pro consciente. Em nossa rotina, a respiração está lá como neurovegetativa, passamos muitas horas do dia sem perceber a respiração. Mas a partir do momento em que você traz a respiração pro plano consciente, você muda uma chavezinha interna.”

A influência do Yoga e da Respiração no bem-estar

O Yoga é uma prática de mais de 5 mil anos, é algo ancestral. Naquela época, o homem tinha muito mais tempo para se perceber, entrar em contato com a natureza, entender os movimentos cíclicos da natureza, as estações do ano. Ela explica:

“Esse estudo acontecia de uma forma muito empírica e espontânea que brotava naturalmente de acordo com o estilo de vida daquele homem: que plantava, colhia e comida da própria terra.

Com a tecnologia a gente evolui, mas nos afastamos da nossa essência. O yoga vêm como uma ferramenta prática pra que você tenha esse olhar mais atencioso e mais carinhoso com você mesmo, para que você pause e possa tirar o turbilhão da nossa rotina. A gente vive uma vida super agitada, com diversas demandas. Sejam elas pessoais, profissionais ou até mesmo afetivas. Uma sociedade que exige alguns padrões e condicionamentos.

A prática faz com que você se desvende internamente. A gente trabalha com aquilo que é mais denso, que é o nosso corpo físico, para depois avançar para camadas mais sutis.”

Não podemos esquecer que o estresse é um sintoma e, como todo sintoma emocional, é um alerta de que algo não vai bem em relação às nossas escolhas e até ao impacto que elas têm em nossas vidas. 

Quando descobrimos o que nos deixa estressados e por que isso acontece, podemos mudar nossa atitude. Dependendo do grau e da intensidade do estresse, mudança de hábitos e uma prática diária de yôga e meditação podem ser suficientes para diminuí-lo: 

“O yoga é uma forma de estruturar essa ferramenta, que é o seu corpo, para que a gente possa depois estruturar outras camadas, no âmbito da energia, que tem a conexão com a respiração. A gente precisa de energia para os nossos órgãos internos trabalharem de uma forma perfeita, harmoniosa, coesa, para nossa mente funcionar com mais clareza, com mais discernimento, a gente conseguir saber distinguir o que é uma emoção, o que é a razão. É respirar fundo e não agir por impulsividade. A prática traz esse resgate do autoconhecimento, percebendo o ser humano em todas essas camadas, do mais denso ao mais sutil.”

Lembre-se que apesar das mudanças de hábitos e adquirindo um estilo de vida mais saudável, você ainda pode precisar sim de uma ajuda extra.

Quando sintomas físicos ou persistentes perturbações emocionais começam a surgir, é o momento de você procurar ajuda especializada. Conte com o Zenklub para escolher o profissional ideal para você clicando aqui

Convidado

Célia Berlim

Pedagoga com especialização em orientação educacional. Têm formação no Método DeRose desde 2003 e é instrutora das práticas de yoga, meditação e respiração na escola Sada.

Mostrar comentários

Deixe seu comentário

13524