Aprendendo a lidar com as emoções

29 junho, 2021 |

5

Você já votou neste post

Onde ouvir também:

Nesse episódio do Zencast, Izabella Camargo conversa com o psiquiatra, nutrólogo e professor, o Dr. Frederico Porto sobre como lidar com as emoções. Acompanhe esse episódio ou dê uma olhada no nosso resumo abaixo para entender sobre como lidar com as emoções.

No episódio o convidado levanta um ponto interessante sobre o assunto, ele diz que a tristeza e a falta de energia, muitas vezes, pode estar relacionada ao cansaço e não com alguma doença em si.

Em algumas ocasiões, ele ouviu de pessoas que dizem tirar férias, mas não descansam. Isso se dá, segundo o psiquiatra, porque o corpo desaprendeu o que é produzir o Cortisol, hormônio do stress. E com o Cortisol alto, você pode acabar não descansando.

Para o Dr., existe um paradoxo que explica o motivo de muitas pessoas acordarem durante a noite. Se você está correndo de um leão durante o dia e a noite para pra dormir, você desperta com medo de que aquele leão ainda esteja correndo atrás de você. E isso pode ser levado para o dia a dia também. 

Com a correria cotidiana, em vez das preocupações darem uma trégua durante o sono, elas aparecem à noite e fazem com que você acorde várias vezes. Ou seja, o cérebro não “desliga” porque você sente que não pode ficar vulnerável.

Como descansar e dormir bem?

Para o convidado, é essencial que durante o dia haja algumas pequenas paradas para que o seu corpo entenda que está tudo bem. Fazer coisas simples como a cada hora parar 2 minutos e respirar. Como ele cita: “Dois minutos de férias por hora”.

Como diferenciar cansaço de tristeza?

Além disso, ele diz que cansaço se mostra quando você quer fazer algo, mas não tem energia. Já na tristeza, não existe motivação. Caso essa falta de motivação seja constante e mais grave, pode ser diagnosticada como depressão.

Por exemplo, você até tem vontade de levantar do sofá para ir à academia, mas não vai. No caso da tristeza, você não tem esse sentimento. Não consegue. 

Atributo funcional: O que as emoções têm a nos dizer

Para Frederico, a tristeza é um sinal de alerta. Todas as nossas emoções são. Elas querem nos dizer algo e fazer com que entendamos que alguma coisa não vai bem. Ou seja, aquela emoção que você está sentindo, tem um motivo.

Por isso, ele levanta um ponto importante para reflexão:

O que a sua mente tem a dizer, gerando aquele estado emocional?

Como identificar a tristeza e a depressão?

A depressão é um quadro onde a emoção prevalece a tristeza profunda, acompanhado de um estado de desesperança para com a realidade.

É importante observar também sobre acontecimentos, tarefas que davam prazer antes e agora não mais. Por exemplo, você gostava de ir a um restaurante com os seus amigos e esse tipo de coisa não te dá mais prazer. Além disso, existe outro fator a considerar que é o estado de desesperança. Você não enxerga mais solução ou não vê algo que te anime.

Como é o diagnóstico da depressão?

Na entrevista o Dr. Frederico Porto cita 4 sintomas, descritos no DSM-5, que indicam depressão. Além disso, ele ressalta a importância de procurar um profissional de saúde mental para o diagnóstico correto. Confira cada um deles:

  1. Alterações de apetite;
  2. Alterações de sono;
  3. Estado de desesperança;
  4. Não tem mais prazer nas atividades cotidianas.

Além disso, a duração e a intensidade precisam estar presentes durante dois meses e não podem ser advindas de um outro problema, como anemia, hipotireoidismo, entre outros. O Dr. menciona que o paciente tem de relatar o quanto essas sensações têm prejudicado a vida dele. 

Como a terapia pode ajudar com as emoções?

Como citado pelo Dr. Frederico, muitos pacientes quando diagnosticados (e dependendo da gravidade), são medicados, mas ele também reforça a importância da terapia. 

O remédio pode tirar sua tristeza, mas não traz alegria.

Ele diz que em casos leves a moderados, a terapia é fundamental e ajuda muito contra a tristeza e a depressão. 

As mudanças são muito mais duradouras que os remédios. Para ele, as pessoas que fazem terapia têm menos chances de ter recaídas do que as que se trataram apenas com remédios, pois é a partir dela, que criam mecanismos internos para lidar com as questões da vida. 

Convidado

Dr. Frederico Porto

Dr. Frederico Porto é psiquiatra, nutrólogo e professor.

Mostrar comentários

Deixe seu comentário

13524