Nervosismo, preocupação, medo, agitação e outras sensações incômodas e indesejáveis. Esses são sinais que demonstram situações de ansiedade. Até aí, pode ser normal. O problema é quando a vida da pessoa começa a ser afetada e ela passa a se perguntar como saber se tenho ansiedade.

Como saber se eu tenho ansiedade?

A ansiedade é algo que faz parte do comportamento humano. É um mecanismo de autoproteção e sobrevivência. Quando ultrapassa o patamar de preservação e chega a níveis prejudiciais, é preciso investigar. 

Essa jornada normalmente começa com a dúvida: como saber se eu tenho ansiedade? Alguém mais desconfiado pode já partir da busca “como saber se eu tenho crise de ansiedade”.

A grande sacada é observar se a ansiedade está de acordo com os fatos. Se for muito intensa e desproporcional ao que realmente está acontecendo, a reflexão pode evoluir para: como saber se tenho crise de ansiedade?

O que uma pessoa com ansiedade sente?

O termo “ansiedade como saber se tenho” tem alto nível de buscas no Google. Descobrir essa resposta envolve um checklist de sinais físicos e emocionais. É importante avaliar a intensidade e o impacto que eles causam no dia a dia. Essa averiguação pode, inclusive, partir da leitura de algum texto sobre ansiedade que seja confiável. 

Sintomas físicos de ansiedade 

  • Respiração ofegante ou falta de ar
  • Palpitações e dores no peito
  • Suor
  • Tremedeira 
  • Agitação nos membros
  • Tensão muscular (pode incluir apertar os dentes)
  • Enjoo e vômitos
  • Tontura ou sensação de desmaio
  • Insônia
  • Cefaleia ou enxaqueca

Sintomas emocionais de ansiedade 

  • Irritabilidade
  • Dificuldade de concentração
  • Desequilíbrio dos pensamentos
  • Medo
  • Preocupação excessiva
  • Apreensão 
  • Pensamentos negativos ou obsessivos

Quais são os níveis de ansiedade?

A lista de sintomas não se resume aos que colocamos aqui. Mas ainda mais importante é ter a sensibilidade de perceber quando eles são persistentes e fortes a ponto de impedir a ação. Antes disso, podemos considerar os níveis dentro da normalidade. 

Os casos mais leves podem ser atenuados com exercícios para ansiedade. Eles ajudam a entender os gatilhos e a superá-los. Conte com amigos, psicólogos, familiares e mentores nessa tarefa.

Porém, quando as relações sociais são comprometidas e a rotina também é afetada, a abordagem é mais intensa. É preciso buscar ajuda o quanto antes para evitar dificuldades no convívio com amigos, familiares e colegas – ou seja, a ansiedade social. As perspectivas são boas porque ansiedade tem cura

Os 5 sinais que podem evidenciar a ansiedade

  1. Tudo é uma ameaça

Quem recebeu uma resposta positiva de um especialista à pergunta “como saber se tenho transtorno de ansiedade” já sabe: a ideia inicial é de que tudo representa um potencial perigo que deve ser evitado. 

Nessas horas, é preciso empatia. Afinal, mesmo que você saiba que não há ameaça tão grave, a pessoa ansiosa acredita verdadeiramente que pode até mesmo morrer diante dela e tem a mente completamente povoada por frases de ansiedade.

  1. Medo e preocupações exagerados

É tanto medo e preocupação que o indivíduo se desespera e perde o controle do foco. Ele se ocupa constantemente em prever com detalhes os piores desfechos possíveis para uma situação e realmente se apega a eles. 

  1. Inquietação

Mãos, braços, pernas e pés não param. É aquela agitação antes de uma prova, por exemplo, mas que não passa depois que a tarefa é concluída. Isso porque a preocupação em não conseguir fazer a prova evolui, após entregá-la, para o medo de tirar uma nota ruim. Nos casos mais graves, a pessoa sequer consegue concluir a prova. 

  1. Tensão 

A tensão é tão grande que a ideia de relaxar estressa ainda mais. É como se fosse mais fácil continuar se sentindo constantemente tenso do que abrir mão disso para se sentir bem e correr o risco de voltar ao estado inicial. Ou seja, a pessoa foge do contraste de sentimentos. 

  1. Sono afetado

Tanta angústia não poderia deixar de interferir na qualidade do sono. Não é de surpreender se chegar a impedir alguém de dormir. São tantos pensamentos na cabeça e possibilidades de tudo dar errado, que o sono cede para a tarefa constante de se angustiar com o que ainda nem aconteceu – se é que pode chegar a acontecer algum dia. 

Quando eu preciso me preocupar: veja a palavra da especialista

A coach Márcia Sasdelli esclarece a partir de que momento alguém deve se preocupar com relação à ansiedade. “Ansiedade é algo normal que surge principalmente quando lidamos com algo novo, quando estamos sob pressão e diante, por incrível que pareça, da autocobrança excessiva”, explica. 

Ela destaca que é importante prestar atenção quando a ansiedade começa a limitar o alcance de objetivos e dá asas à imaginação fantasiosa que faz da realidade um bicho de 7 cabeças inexistente. 

“Ele leva você a se bloquear por medo de enfrentar as situações do dia a dia, achando-se incapaz, incompetente e com aquela sensação de que não vai dar conta de enfrentar o problema”, esclarece. 

De acordo com ela, é neste momento que você fica paralisado, perdido, começa a procrastinar ações e entra em um círculo vicioso. 

“Esta é a hora de dar um basta e diminuir sua ansiedade através do autoconhecimento, da potencialização de suas melhores competências e trabalhando os pontos que devem ser melhorados para enfrentar os desafios”, complementa.

Quais são os sinais de alerta?

A especialista destaca o que é mais frequente em seus atendimentos que partiram do questionamento “como posso saber se tenho ansiedade?“.

  • Desmotivação e cansaço: a pessoa começa a duvidar dela mesma e de sua capacidade ou exige sempre mais de si, sempre achando que deveria fazer mais e ser melhor.
  • Sono ruim: não consegue dormir cedo e quando vai dormir o cérebro continua ligado às preocupações, levando a insônias ou sono com várias interrupções.
  • Impulsividade: a pessoa não consegue reagir de forma equilibrada diante de estímulos externos de agressividade ou pressão.
  • Comunicação desequilibrada: falta paciência para ouvir o outro e interrompe constantemente a comunicação querendo colocar suas ideias ou se desculpando por algo que fez.
  • Estresse excessivo: por não conseguir lidar com equilíbrio diante das situações, não controla as emoções, não descansa e pode chegar ao nível mais alto de estresse em que não suporta mais nada e tudo incomoda.

Quero fazer o teste para saber se tenho ansiedade

Qualquer pessoa que tenha se identificado com as informações desse post deve investigar mais a fundo. Um bom começo é fazer o teste online da Zenklub. Com segurança, é possível começar uma jornada rumo ao autoconhecimento para aprender a controlar os níveis de ansiedade e obter mais qualidade de vida. 

Independente do resultado do teste, contar com ajuda especializada pode ser um ótimo caminho para superar a ansiedade e ingressar em uma jornada de autoconhecimento. Assim, você não apenas aprende a dominar os seus pontos negativos, como também fortalece o que tem de melhor. 

Referências

https://www.tuasaude.com/sintomas-de-ansiedade/
https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Saude/noticia/2019/10/ansiosos-evitam-relaxar-para-sentirem-menos-ansiedade-conclui-pesquisa.html
https://www.tuasaude.com/crise-de-ansiedade/

Este artigo foi útil?

4.1

Você já votou neste post

Publicado por:

Rui Brandao

Publicado por:

Rui Brandao

Rui Brandão é médico, com experiência em Portugal, Brasil e Estados Unidos da América, e mestre em Administração pela FGV em São Paulo. Hoje é CEO & Co-fundador do Zenklub, plataforma de saúde emocional e desenvolvimento pessoal que oferece conteúdos, profissionais e ferramentas especializadas para mais de 1.5 milhões de pessoas no Brasil.