Vemos muitas pessoas experimentando viver a resiliência, sem saber que estão fazendo, e há ainda aqueles que profetizam seu termo aos quatro cantos, mas de fato não sabem o seu verdadeiro sentido.

Sabe quando você já perdeu o rumo e a esperança de que algo ainda pode dar certo na sua vida? Quando tudo parece não ter mais sentido? Quando você sente que não adianta mais lutar, pois tudo que você investiu, dedicou, construiu, enfim, tudo foi embora em um sopro de qualquer coisa que você nem consegue ver de onde veio?

Então, todo mundo em algum momento se sente assim como você. Faz parte da existência humana acreditar, investir, crescer, perder, sofrer pela perda, desacreditar de tudo e, finalmente, acordar e acreditar novamente. Isso tudo é a prova de que a vida é feita de recomeços e de transições.

Mas o que faz com que algumas pessoas retomam seus sonhos e projetos novos com mais rapidez e eficiência que outras? E por que outras perdem tudo e descobrem que podem ser felizes de outro jeito, com outros projetos ou com outros parceiros?

Nessas horas não vale entrar em desespero, afinal, todos somos diferentes e a grama do vizinho não é tão verde quanto você quer ver. Hoje vamos conversar sobre resiliência humana e como esse termo pode fazer sentido na sua vida de uma forma que você talvez nem imagine.

Afinal, o que é resiliência?

O termo resiliência significa – em seu significado original, na Física – o nível de resistência que um material pode sofrer frente às pressões sofridas e sua capacidade de retornar ao estado original sem a ocorrência de dano ou ruptura.

A Psicologia pegou emprestada esta palavra, criando o termo resiliência psicológica, que se refere à capacidade das pessoas responderem às frustrações e estresses diários, em todos os níveis, e sua capacidade de superação e recuperação emocional.

Segundo a psicóloga e especialista do Zenklub, Cladismari Zambon, “Quando falamos sobre ser resiliente, gosto de relembrar as palavras Viktor Frankl, psiquiatra austríaco que enquanto prisioneiro em um campo de concentração, durante a segunda guerra mundial, escreveu o livro “Em busca de Sentido”, que dizia “Quem tem um “porquê”, enfrenta qualquer “como””.

“Nesse livro, além dessa frase marcante, Frankl, mesmo em condições de total despojamento de identidade e sentido que a situação o colocava, percebeu que algumas pessoas se mantinham vivas e ativas, mesmo sem as mínimas condições de sobrevivência e sanidade. Outras enlouqueciam e se deixavam morrer. A esta capacidade de retomar a vida existente em um fio ele chamou de resiliência”, afirma Zambon.

Ainda nesse contexto Zambon lembra que Frankl afirma que a resiliência é “a vontade de sentido” do homem e que lhe permite resistir ao sofrimento e à dor sem sentido. Que a vida é sofrimento e, para termos qualquer esperança de sobreviver ou prosperar, precisamos encontrar sentido neste sofrimento. Por isso, tomamos a decisão de seguir em frente, de continuar acordando e vivendo dia após dia,com atitude positiva porque acreditamos que existe um propósito maior e um senso de responsabilidade na nossa vida.”

“Quando não conseguimos mais mudar uma situação, temos o desafio de mudar a nós mesmos.” (Viktor Frankl)

Quais as características de uma pessoa resiliente?

Em resumo, pense nas seguintes características:

  • É a capacidade de lidar com problemas;
  • É a maneira que você supera os obstáculos;
  • Como você responde às situações de adversidade;
  • Como você encontra equilíbrio em si próprio em momentos de estresse

Pilares da resiliência

Todo mundo pode escolher entre enfrentar ou desistir. Sua vida não vai mudar se você não fizer alguma coisa a respeito e existem duas formas de interpretar os fatos e analisar a sua experiência de viver:

  • Interpretação negativa dos fatos – Quando você se coloca na posição de vítima da situação, fecha os seus olhos para ela e conduz as suas emoções para o fracasso.
  • Interpretação ativa dos fatos – Quando você assume a responsabilidade sobre os seus problemas e as suas dificuldades, e realiza uma atitude de autoanálise e análise de todos os aspectos que envolvem a sua experiência de viver. É basicamente um breve estudo do que realmente aconteceu, das suas perdas e seus ganhos, das pessoas que estão com você (e as que não estão), e se, enfim, realmente tudo acabou em um sopro. Você consegue tomar as rédeas da sua vida, principalmente, da parte que você sabe que ainda tem domínio.

O que significa resiliência?

Desenvolvimento de um projeto pessoal de vida

Ainda lembrando de Frankl, “O sucesso, como a felicidade, não pode ser perseguido; ele deve acontecer, e só tem lugar como efeito colateral de uma dedicação pessoal a uma causa maior”

O que Frankl quer nos dizer é que precisamos desenvolver projetos que tragam um sentido a nossa existência, pois isso nos torna pessoas mais resilientes frente às adversidades da vida. Quando temos um projeto maior para nos apoiar, passamos a entender que os problemas são apenas obstáculos a serem superados, são experiências negativas e o que se persegue é algo muito maior.

Então, deixe o mimimi, a autopromoção e o alarde de lado, e simplesmente faça algo por você, algo importante, por menor que possa parecer.

Capacidade de compreender nossas emoções

Pode parecer algo simples, mas não é o que ocorre. Vivemos usualmente sem entrar em contato com as nossas emoções e isso pode nos confundir bastante. Estar atento aos nossos sentimentos é uma das maneiras mais simples de desenvolver nossa capacidade de enfrentamento emocional.

Então, quando você entra em contato com as suas emoções, você se torna mais ágil na busca por aquilo que realmente o faz bem, como também o ajuda a evitar as famosas “ciladas”, que o faz tão mal.

Resiliência no amor

E nos relacionamentos amorosos, como aplicar a resiliência? Se você aplica resiliência na sua vida, não vai ser difícil encontrar espaço para usar com o seu parceiro ou parceira. O importante é partir da ideia de que mesmo que vocês formem um casal, vocês são pessoas diferentes, com uma criação, vivência e pensamentos distintos.

Não existe receita de bolo, mas como toda boa regra para superar conflitos amorosos, você irá encontrar traços de resiliência dentro da sua paciência, empatia e compreensão pelo outro.

Resiliência no trabalho

Você também pode aproveitar toda a sua dedicação na vida pessoal para ser mais resiliente, para aplicar no seu meio profissional. É sem dúvida, uma habilidade de destaque entre tanta gente capacitada e um ambiente tão concorrido.

Colaboradores mais resilientes, conseguem lidar melhor com os desafios que são propostos, lideram pessoas com mais empatia e superam com mais facilidade a tensão e os obstáculos.

Usar a experiência de vida com a resiliência e transportar essa capacidade para o trabalho irá melhorar o seu desempenho, fazendo com que não só a sua técnica seja um ponto positivo, mas toda a sua forma de expressá-la somada à sua inteligência emocional.

Prazos curtos? Entregas grandes? Problemas de relacionamento na equipe? Pressão do chefe? Sem dúvidas essas fases serão encaradas de forma mais equilibrada pelos colaboradores mais resilientes.

Como se tornar uma pessoa resiliente?

Você deve estar se perguntando, mas é possível se tornar uma pessoa resiliente? Sim, é possível, basta você ter em mente quais as capacidades que pessoas naturalmente mais resilientes possuem e tentar aplicá-las na sua vida e na sua realidade.

Pode ser que isso exija um certo esforço, acredite, será um esforço que é recompensador. Por isso, se você se identificou até aqui com as características das pessoas resilientes e acha que essa prática irá satisfazer o seu bem-estar emocional, não perca tempo!

10 DICAS PARA TER MAIS RESILIÊNCIA

Veja algumas dicas que separamos para te ajudar nesse tão esperado recomeço pessoal:

  1. Avalie a sua trajetória: veja tudo o que foi bom e o que poderia ter feito diferente;
  2. Responsabilize-se: analise a sua parcela de responsabilidade em todos os momentos do ciclo, principalmente no fim;
  3. Exercício: olhe para dentro de si mesmo e veja qual sua interpretação para os fatos, vítima ou protagonista da sua história?
  4. Busque um propósito: pesquise, fique atento, sonhe e faça planos;
  5. Use a criatividade: desenvolva um novo projeto, pautado em sua experiência, com maturidade e responsabilidade;
  6. Atitude positiva: não fique paralisado na negatividade de um problema;
  7. Relacione-se: nunca se afaste das pessoas por quem tem afeto;
  8. Libere a tensão: ouça música, leia, cante, dance, escreva e inspire-se;
  9. Pratique hábitos saudáveis: reserve momentos de lazer, esporte, descanso e estudo;
  10. Acredite em você: valorize suas conquistas pessoais e a sua capacidade.
Zenklub

Zenklub

Proporcionar um estilo de vida mais saudável e permitir que as pessoas se empoderem da sua saúde emocional e bem-estar é o objetivo do Zenklub. Para além das matérias no blog, no site você pode consultar um psicólogo por vídeo-chamada de onde estiver. São mais de 80 psicólogos a um clique de distância.
Zenklub