Os anticonvulsivantes ou antiepiléticos, são remédios que funcionam principalmente para o tratamento de convulsão e epilepsia. Mas essa categoria possui um potencial que vai além do nome que carrega.

De fato, esses remédios tratam várias outras doenças. Tamanha versatilidade gera muitas dúvidas sobre essa família de remédios para convulsão. Então, explicamos tudo o que você queria saber sobre os anticonvulsivantes a seguir!

Anticonvulsivante: o que é

Os anticonvulsivantes ou antiepiléticos formam um grupo de remédios voltados principalmente para o tratamento e prevenção de crises convulsivas e epiléticas. Por isso, a categoria também é chamada popularmente de remédio para convulsão. Entretanto, os antiepiléticos extrapolam o que sugere o seu próprio nome.

Os anticonvulsivantes possuem mecanismos de múltipla ação, sendo capazes de tratar também diversas outras doenças. Transtorno bipolar e anticonvulsivo, por exemplo, são um distúrbio e um tratamento que já caminham juntos há muito tempo. Em suma, essa é só uma amostra do potencial dos medicamentos anticonvulsivantes.

Anticonvulsivantes: para que servem

Inegavelmente, os anticonvulsivantes possuem múltiplas ações. Por isso são capazes de tratar mais distúrbios que o seu próprio nome sugere. Ou seja, cada substância dessa família de fármacos tem diversas finalidades de tratamento. A seguir, confira alguns exemplos e entenda para que servem os anticonvulsivantes:

Como agem os medicamentos anticonvulsionantes

Os medicamentos anticonvulsivantes agem por diferentes mecanismos e múltiplas ações. Isso pode variar de acordo com cada substância e seus diferenciais dentro da categoria de medicamento para convulsão. Mas em síntese, esses fármacos objetivam inibir a despolarização neuronal anômala.

Isso é, suprimem o excessivo disparo acelerado dos neurônios – em outras palavras, a atividade que acontece durante uma convulsão. Outra função é evitar que esse ataque se propague no cérebro. Dessa maneira, conseguem controlar e evitar crises epiléticas. Para isso, os anticonvulsivos atuam no sistema nervoso por meio de uma ou mais ações como essas:

  • Bloqueio da função dos canais de sódio
  • Potencialização da função GABA
  • Bloqueio da função dos canais de cálcio
  • Inibição dos receptores de glutamato

Outros mecanismos de ação

Alguns antiepiléticos apresentam mais mecanismos de ação. Esse é o caso de anticonvulsivantes que atuam como estabilizadores de humor ou reguladores de humor. Ou seja, são bastante utilizados no tratamento de transtorno bipolar e de transtorno do humor.

Existem ainda princípios ativos, como o clonazepam (mais conhecido como Rivotril), que tem propriedades ansiolíticas. Portanto, o medicamento pode ser usado como remédio para controlar a ansiedade. Da mesma forma, também pode ser usado como coadjuvante no tratamento de depressão, ajudando a ação dos antidepressivos.

O que é estabilizador de humor

Estabilizador de humor é um medicamento que controla o processo de ciclagem do transtorno bipolar. Em resumo, a sua ação reduz a quantidade e ajuda a minimizar a intensidade de episódios de depressão e mania. Desse modo, permite que o paciente consiga lidar com a oscilação de humor causada pela doença.

Estabilizador de humor: nomes

Alguns antiepiléticos são capazes de agir na oscilação de humor provocada por alguns distúrbios. Ou seja, são anticonvulsivantes que atuam como estabilizadores de humor ou reguladores de humor. Conheça alguns exemplos a seguir:

  • Valproato de Sódio ou Ácido Valpróico (Depakene, Depakote, Epilenil, Valpakine)
  • Carbamazepina (Tegretol, Tegretard)
  • Lamotrigina (Lamictal, Meural, Lamitor)

Estabilizador de humor natural

O estabilizador de humor natural é um grande aliado no tratamento de diversos distúrbios. Em outras palavras, são alimentos, bebidas e atividades que ajudam no cuidado do paciente e melhoram a oscilação de humor, pois regulam o organismo. Entretanto, essa estratégia não substitui os medicamentos e o acompanhamento clínico em diversos casos, como o transtorno bipolar. Ou seja, sua finalidade é complementar a terapia em andamento. Então, conheça alguns exemplos de estabilizadores de humor natural:

  • Chás com propriedades calmantes (erva-cidreira, camomila, passiflora etc.)
  • Alimentos ricos em triptofano (soja, nozes, queijos etc.)
  • Alimentos ricos em ômega 3 (peixes)
  • Exercícios físicos (caminhada, corrida etc.)
  • Atividades mais relaxantes (alongamento, yoga, pilates etc.)
  • Hobby ou lazer (ler, assistir filmes, artesanato, jardinagem etc.)
  • Hidratação adequada
  • Alimentação saudável e equilibrada

Anticonvulsivantes nomes comerciais

A categoria de antiepiléticos abrange uma ampla gama de princípios ativos disponíveis no mercado. Afinal, é uma família de medicamentos que surgiu no início do século XX e desde então, seus estudos só aumentaram. Para mostrar os medicamentos anticonvulsivos mais usados, listamos a seguir as principais substâncias de anticonvulsivante e seus nomes comerciais.

  • Carbamazepina (Tegretol, Tegretard)
  • Clonazepam (Rivotril, Zilepam)
  • Valproato de Sódio ou Ácido Valpróico (Depakene, Depakote, Epilenil, Valpakine)
  • Divalproato de Sódio (Divalcon, Zyvalprex, Valpi)
  • Pregabalina (Lyrica, Dorene, Insit, Prebictal, Prefiss, Preneurin, Proleptol)
  • Topiramato (Têmpora, Vidmax, Amato, Égide, Arasid)
  • Fenobarbital (Gardenal, Fenocris, Unifenobarb)
  • Fenitoína (Hidantal, Fenital, Epelin)
  • Fenitoína Sódica (Unifenitoin)
  • Levetiracetam (Etira, Keppra, Antara)
  • Gabapentina (Gabaneurin, Neurotin, Gamibetal, Neurocontrol)
  • Oxcarbazepina (Trileptal, Oleptal)
  • Lamotrigina (Lamictal, Meural, Lamitor)
  • Primidona (Primid)
  • Vigabatrina (Sabril)
  • Lacosamida (Vimpat, Lacotem)

Dúvidas

Estabilizador de humor e medicamentos para depressão podem ser usados juntos?

De fato, em alguns tratamentos de depressão (bipolar ou unipolar) pode ser recomendado o uso concomitante de antidepressivo e estabilizador de humor. Ou então, a combinação entre um anticonvulsivante e um remédio de depressão. O psiquiatra define essa configuração de acordo com o quadro clínico do paciente. Além disso, é preciso analisar ainda se as substâncias não provocam interações medicamentosas.

Devo tomar um anticonvulsivante por conta da mudança de humor na gravidez?

Não. Os anticonvulsivantes que atuam como estabilizador de humor não servem para mudança de humor na gravidez. Inclusive, o uso desse tipo de medicação não é recomendado durante a gestação, pois pode prejudicar o feto. É importante ressaltar que o uso de anticonvulsivantes deve ser feito somente sob prescrição e acompanhamento médico.

As informações desta página foram disponibilizadas com fins puramente informacionais. Em hipótese alguma, elas devem embasar a autoprescrição ou indicação para terceiros. Sempre consulte um especialista sobre qualquer assunto relativo à sua saúde mental.

Este artigo foi útil?

5

Você já votou neste post

Publicado por:

Rui Brandao

Publicado por:

Rui Brandao

Rui Brandão é médico, com experiência em Portugal, Brasil e Estados Unidos da América, e mestre em Administração pela FGV em São Paulo. Hoje é CEO & Co-fundador do Zenklub, plataforma de saúde emocional e desenvolvimento pessoal que oferece conteúdos, profissionais e ferramentas especializadas para mais de 1.5 milhões de pessoas no Brasil.