O transtorno de conduta é uma condição que, juntamente com o transtorno opositivo desafiador, forma os chamados problemas de conduta.

Ele é um problema que afeta não só a saúde e desenvolvimento de quem sofre, mas também os responsáveis e terceiros, uma vez que a criança ou adolescente com o transtorno de conduta é mais suscetível à prática de atos ilícitos.

Para saber mais sobre esse importante assunto, fique com a gente até o final! 

Tenha uma ótima leitura.

Quem sofre de transtorno de conduta?

Segundo uma pesquisa de revisão da literatura científica sobre o transtorno de conduta, a condição tem uma taxa média de prevalência de 3,6%.

No entanto, o número de pessoas atingidas com o transtorno varia de país para país. 

Por exemplo, há estudos que apontam para uma prevalência de 30,4% de transtorno de conduta no Peru.

As populações que sofrem de transtorno de conduta são duas: os adolescentes e as crianças.

Vejamos uma a uma.

Transtorno de conduta infantil

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a infância é um período da vida que vai dos 0 aos 10 anos.

Por outro lado, a infância seguindo o Ministério da saúde é o período que se estende dos 0 aos 12 anos de idade.

Seja qual for a referência usada, fato é que o transtorno de conduta infantil merece atenção, uma vez que a criança com essa condição pode ter dificuldades não só no ambiente escolar, mas também no contexto familiar.

O ideal é que, identificando-se sintomas possíveis do transtorno de conduta, a criança passe pela avaliação de um especialista em saúde mental.

Assim, quanto mais cedo a criança tiver amparo profissional, mais evidentes serão as melhoras.

Transtorno de conduta nos adolescentes

A adolescência é uma fase da vida de muitas descobertas e mudanças.

Não à toa, as pessoas nessa idade ficam mais vulneráveis ao transtorno de adaptação, sobretudo quando há grandes reviravoltas em suas vidas.

Além disso, é nesse momento da vida em que os jovens geralmente começam a ter certa liberdade e autonomia, uma vez que o senso crítico deles começa a se desenvolver.

Por isso, é na adolescência que o transtorno de conduta pode ficar mais evidente.

É comum que adolescentes com a condição se envolvam com o uso de drogas, atos ilícitos como furtos, depredação do patrimônio público ou privado, entre outros sintomas.

Assim, é importante que os pais estejam atentos a fim de procurar ajuda oportunamente.

Sintomas: o comportamento do transtorno de conduta

O transtorno de conduta é uma das condições psiquiátricas mais graves que ocorrem em crianças e adolescentes.

Sendo assim, é imprescindível que os pais ou responsáveis estejam atentos aos sinais e sintomas do comportamento de quem possui o transtorno de conduta. Alguns deles são:

  • Desobediência às ordens dos pais ou responsáveis;
  • Conflitos frequentes com os colegas de escola e com os familiares (por motivos banais) – nesse sentido pode ser confundido com o transtorno explosivo intermitente;
  • Furtos recorrentes e violação de normas legais;
  • Oposição a adultos e figuras
  • Relacionamento conturbado com pares;
  • Atos ameaçadores que colocam em risco a integridade dos colegas;
  • Ter acessos de raiva ou crises de choro; 
  • Gritar ou fazer birra; 
  • Desrespeito, preconceito e segregação dos colegas de classe – bullying; 
  • Perseguição às minorias;
  • Prática de maus tratos aos animais;
  • Depravação do patrimônio da escola ou danos a bens alheios;
  • Mentira e dissimulação a fim de persuadir as pessoas a determinados fins;
  • Não ter empatia e não se afetar com as consequências negativas de suas ações;
  • Embora não seja comum, a saída da realidade (psicose), adolescentes com transtorno de conduta podem assumir diferentes identidades.

Esses sintomas de transtorno de conduta podem aparecer de forma concomitante ou não e variam de acordo com a intensidade. Vejamos mais sobre isso..

Subtipos de Transtorno de Conduta

De acordo com o Código Internacional de Doenças 10 (CID-10) o transtornos de conduta são divididos em:

  • F910 Distúrbio de conduta restrito ao contexto familiar
  • F911 Distúrbio de conduta não-socializado
  • F912 Distúrbio de conduta do tipo socializado
  • F913 Distúrbio desafiador e de oposição
  • F918 Outros transtornos de conduta
  • F919 Transtorno de conduta não especificado

Cada uma dessas condições pode ser manifestar em 3 graus de intensidade, que são:

Leve

Os sintomas são mais brandos e representam problemas principalmente para a criança ou adolescente com o transtorno de conduta.

Nesse quadro, conta-se pequenas mentiras, o adolescente começa a matar as aulas e passa a ter uma revolta exacerbada.

Moderado

Nesse grau de transtorno de conduta, os atos da criança ou do adolescente passam a afetar os outros.

Assim, conflitos familiares, agressões e ameaças começam a surgir.

Além disso, nesse grau da condição podem surgir pequenos furtos e delitos.

Grave

Envolve a prática de delitos seríssimos, como, por exemplo:

  • Tortura (a pessoas ou animais)
  • Agressões físicas (às vezes com armas brancas como facas, canivetes ou até mesmo armas de fogo);
  • Violência sexual, psíquica, moral, entre outras;
  • Assaltos bem arquitetados com arrombamento de casas e apartamentos;

Nesse caso é preciso intervir rapidamente a fim que não haja prejuízos irreparáveis às vítimas.

Qual a diferença entre transtorno de conduta e transtorno de personalidade?

O transtorno de conduta é uma condição que só pode ser diagnosticada antes dos 18 anos.

Segundo o O Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais 5.ª edição – DSM-V – a personalidade de uma pessoa só é formada a partir dos 18 anos.

Por isso, crianças e adolescentes não podem receber o diagnóstico de nenhum transtorno de personalidade (como o transtorno de personalidade histriônica, por exemplo).

O transtorno de conduta tem sintomas bastante similares ao transtorno de personalidade antissocial.

Então, na prática, acontece que transtornos de conduta se tornam, com a maioridade, transtornos antissociais.

Além disso, é importante diferenciar o transtorno de conduta do transtorno hipercinético de conduta. 

Este último é um subtipo do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em que são observados os 3 sintomas pilares:

  • Hiperatividade
  • Desatenção 
  • Impulsividade

Diagnóstico do transtorno de conduta infantil

Só um profissional especializado em saúde mental como um médico psiquiatra e um psicólogo podem dar o diagnóstico de transtorno de conduta infantil ou na adolescência.

Afinal, os sintomas são complexos e podem se confundir com outras condições comuns na faixa etária acometida, como o transtorno hipercinético de conduta, por exemplo.

Como é o tratamento do transtorno de conduta?

Antes de dar início ao tratamento do transtorno de conduta, é preciso afastar todos os outros diagnósticos possíveis como, por exemplo, o transtorno global do desenvolvimento.

Feita essa distinção, é importante que um médico psiquiatra avalie a criança ou o adolescente a fim de verificar a necessidade ou não do uso de psicotrópicos.

Tais medicações podem ser úteis nos casos de:

  • Agressividade
  • Impulsividade
  • Outras condições associadas (por exemplo, TDAH, transtornos de ansiedade)

Além disso, é crucial que se busque apoio psicológico através da terapia, pois ela permitirá que a pessoa com o transtorno de conduta desenvolva uma personalidade saudável, ética e responsável.

Vale destacar que para definir o melhor tipo de terapia, é importante avaliar cada caso. Assim, fatores que são levados em conta nesse sentido são:

Idade do paciente (crianças podem se beneficiar mais de abordagens como a ludoterapia, por exemplo);

Repercussões na esfera familiar (nesse caso se pode optar pela terapia familiar)

Subtipo do transtorno de conduta.

Na maioria dos casos a pessoa com transtorno de conduta pode realizar sessões de terapia ambulatoriais no regime online ou presencial.

No entanto, em condições severas nas quais os sintomas representam riscos sérios à integridade de terceiros, pode ser necessário o tratamento em regime de internação.

Mudança de comportamento infantil: procure ajuda de um especialista

O transtorno de conduta é uma condição que pode evoluir para graves implicações.

Por isso, é importante que se busque ajuda de um especialista ao perceber mudanças no comportamento infantil ou do adolescente que possam indicar o transtorno de conduta.

Na Zenklub você pode encontrar mais de 4000 terapeutas disponíveis para o atendimento online e vários deles são especialistas em tratar transtornos ligados à infância e adolescência.

Conheça mais sobre os profissionais da Zenklub!

Referências:

1) VILHENA, Karine. Problemas de conduta: prevalência, fatores de risco/proteção; impacto na vida escolar e adulta. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, 2017.

Disponível em:

http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-03072017000100005 

2) CRUZEIRO et al. Prevalência e fatores associados ao transtorno da conduta entre adolescentes: um estudo de base populacional. Cad. Saúde Pública 24. 2008.

Disponível em:

https://www.scielo.br/j/csp/a/VNGPQwC5yFCsprTYpFrCx6m/?lang=pt

3) KAPLAN, H. B.; SADOCK, B. J.; GREBB, J. A. Compêndio de psiquiatria: Ciências do comportamento e psiquiatria clínica. Porto Alegre: Artes Médicas, 2003.

4) Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

Este artigo foi útil?

4.4

Você já votou neste post

Publicado por:

Zenklub

Publicado por:

Zenklub