Como fazer com que o índice de Turnover na empresa seja baixo levando em consideração a saúde emocional e bem-estar do funcionário, a estrutura organizacional bem como a saúde financeira da corporação? 

Sabemos que essa não é uma tarefa fácil, mas muitos profissionais de Recursos Humanos e Gestão de Pessoas estão preocupados em levantar esses pontos na hora de fazer o planejamento da empresa. 

Para que haja sucesso nessa missão, primeiro, é importante entender o que é Turnover, suas causas, consequências, como ele interfere no crescimento da organização e quais estratégias são importantes para que isso não seja mais um problema. Confira!

O que é Turnover?

No sentido literal, Turnover é uma palavra inglesa que significa “virar”. Em Gestão de Pessoas e RH, o Turnover é usado para calcular a quantidade de colaboradores que saem e entram e, diferente de outras taxas, quanto maior elas aparecem, mais atenção devem receber.

Ou seja, se a sua empresa tem contratado colaboradores ou se as pessoas têm pedido as contas e sendo demitidas é crucial utilizar o Turnover. 

De fato, se, em um ano, muitos funcionários pediram as contas e outros foram substituídos, é sinal de que algo não vai bem e isso afeta não apenas quem está em busca de uma nova oportunidade, mas também para a empresa. Afinal, ela pode ser vista como um espaço onde construir uma carreira não seja uma opção. 

Por isso, é fundamental o setor de RH estar atento ao índice de Turnover.

Quais os impactos do turnover nas empresas?

O índice de Turnover nas empresas é relevante porque, através do resultado desse índice é possível analisar onde a organização está errando ou acertando e, com isso, prever formas de mudar e ou continuar como está. 

Alguns dos impactos envolvidos no Turnover envolvem:

  • Medição da saúde empresarial: se as taxas estão muito altas, ela pode interferir diretamente no andamento e, consequentemente, nos seus resultados;
  • Consequências econômicas: alto índice de rotatividade dentro de uma organização traz custos de rescisão, além de toda a burocracia de demissão, impactam o caixa da empresa;
  • Substituição de colaboradores: é preciso deslocar a equipe de RH para fazer contratação, treinamento, integração e isso leva tempo e também dinheiro;
  • Distribuição de trabalho entre os demais funcionários: com a saída de um colaborador a função que antes era realizada ele ficou vazia e precisa ser feita, nisso, ela é dividida entre os demais, ou delegada a apenas um colaborador e isso pode fazer com que haja acúmulo de função e atraso das demais tarefas que já estavam em andamento causando estresse.

Por isso, é importante levar em consideração os índices de turnover, verificando se alguma coisa não está indo bem nas políticas internas da empresa.

Tipos de Turnover

O alto índice de rotatividade de trabalhadores dentro de uma empresa não está ligado apenas a um motivo, mas diversas circunstâncias que devem ser analisadas e estudadas com muito cuidado e, quando se repetem, é importante traçar metas e estratégias para começar a aplicar a mudança necessária dentro do ambiente. 

O Turnover está dividido em 4 tipos: voluntário, involuntário, funcional e disfuncional e cada um tem um motivo específico para acontecer e é sobre eles que vamos falar agora.

Desligamento voluntário

O Turnover ou desligamento voluntário acontece quando um colaborador pede demissão da empresa e os principais motivos podem ser:

  • Nova oferta de trabalho com melhores condições contratuais, salários e benefícios;
  • Conflitos internos com a gestão ou colegas de trabalho;
  • Falta de plano de carreira interno;
  • Desmotivação.

Quando o Turnover voluntário acontece, a empresa tem a oportunidade de analisar essas situações e estudar ações para retenção de outros trabalhadores que fazem parte do quadro de funcionários.

Desligamento involuntário

O Turnover ou desligamento involuntário ocorre quando um funcionário é demitido e essa ação acaba saindo cara porque a empresa arca com direitos como rescisão, férias, décimo terceiro, dias trabalhados e isso, geralmente, ocorre pelos seguintes motivos:

  • Justa causa;
  • Dificuldade financeira por parte da empresa;
  • Processo de recrutamento e seleção falho;
  • Problemas com a gestão e ou equipe.

Neste caso, é imprescindível que a empresa verifique em qual dos processos citados acima a demissão ocasionou e, a partir disso, criar soluções de melhora e maneiras de fazer uma melhor retenção de funcionários.

Desligamento funcional

O Turnover ou desligamento funcional ocorre quando um colaborador que apresenta desmotivação e baixo desempenho das suas funções pede o seu desligamento. Esse tipo de Turnover pode ser benéfico pois ambos, tanto a empresa quanto o colaborador, não estavam contentes, assim, o empreendimento pode fazer uma nova contratação sem os custos do desligamento.

Neste caso, os motivos para o desligamento funcional são:

  • Baixa produtividade e desempenho;
  • Erros frequentes;
  • Problemas com a gestão.

Porém, é importante que, mesmo que esse desligamento funcional seja benéfico para a empresa por não precisar arcar com os direitos do trabalhador, se entenda o motivo da baixa produtividade, problemas com a gestão e analise-se o que houve – porque pode ser bom de um lado, mas nem sempre é para o outro. É sempre bom se atentar!

Desligamento disfuncional

Se no Turnover funcional a empresa perde um funcionário com baixo desempenho, no disfuncional é totalmente diferente! Neste caso, um colaborador com alto desempenho, que cumpre prazos, horários e metas, está descontente e pede para sair. Então, a perda da empresa seria o de capital humano e isso pode influenciar todo o processo interno e externo que contribui para um bom funcionamento. 

Os principais motivos do desligamento funcional são bem parecidos com os que foram apresentados acima:

  • Salário incompatível com a função ou mercado;
  • Falta de motivação no trabalho;
  • Problemas com a gestão;
  • Falta de plano de carreira.

Caso esse tipo de desligamento ocorra, é preciso reunir os gestores e conversar sobre soluções de retenção dos colaboradores que estão na empresa, pois isso afeta não apenas o ambiente interno, mas também externo – e por mais que gastos com rescisão não fizessem parte dessa demissão, o que foi perdido foi a experiência e competência e a substituição pode ser mais demorada.

O que causa Turnover

Baixos salários ou incompatíveis com o mercado, desgaste emocional, falhas no recrutamento e seleção, desmotivação, conflitos internos e ausência de plano de carreira são os principais fatores que causam o Turnover.

Muitas vezes, esses fatores são pouco percebidos pela equipe de recrutamento e seleção ou apenas são levados em conta apenas quando o índice de desligamento é maior que o esperado. 

O ideal é que cada um desses fatores sejam entendidos para que haja um planejamento ou, quem sabe, um replanejamento interno para manter o colaborador no quadro de funcionários e manter o empreendimento em constante crescimento. 

Veja abaixo:

Baixos salários ou incompatíveis com o mercado

Desempenhar certa função e perceber que o salário é incompatível com o mercado desmotiva qualquer funcionário. Esse fator é muito mais comum com mulheres. 

Segundo o IBGE, no Brasil, a diferença salarial entre gêneros ainda é grande, ou seja, elas ainda ganham 20,5% menos que homens mesmo exercendo o mesmo cargo.

Desgaste emocional  e desmotivação

O desgaste emocional acontece quando o funcionário passa por situações como: cobrança excessiva, pouca autonomia, falta de abertura em conversar com gestores, desentendimentos com colegas de trabalho, falta de organização em tarefas delegadas e até mesmo coisas mínimas como material de trabalho de pouca qualidade. 

Com o tempo, levantar da cama, ir para o trabalho acaba se tornando uma rotina sem prazer, faz com que esse colaborador cometa erros frequentes e diminua o ritmo de entrega das tarefas.

Logo em seguida, a desmotivação chega e, com o tempo, problemas maiores como o Burnout começam a fazer parte do dia a dia de trabalho. 

Para Gabriel Calzado, master coach e psicanalista da Zenklub, o bem-estar emocional, valores e propósitos que a empresa oferece conta muito na hora de ponderar ou não a possível saída do funcionário:

Estatisticamente, podemos dizer que hoje muito mais pessoas se preocupam com questões como propósito, valores, visão e missão das empresas, bem como a higidez e bem-estar no ambiente de trabalho, sendo crescente o motivo de desligamentos por ausência de alinhamento dessas questões.

Empresas sem expectativas de crescimento

Crescer em uma organização e alcançar objetivos pessoais e profissionais fazem parte do dia a dia de muitas pessoas. Elas esperam reconhecimento pelo trabalho exercido e buscam dar o seu melhor e almejam sempre crescer. Quando essa não é a realidade do local de trabalho, com o tempo, o trabalhador não vê mais sentido em fazer parte do quadro de funcionários.

Por isso, é importante criar planos de carreira e conhecer melhor com quem se trabalha. Levar em consideração a humanidade do funcionário pode ser um bom caminho. É importante também fazer processos internos em vez de abrir vagas, às vezes, essa é a chance que alguém estava esperando para continuar a dar o melhor de si. 

Lembre-se: investir em bem-estar, reconhecimento e humanidade é bom para todos.

Conflitos internos com gestores ou colegas de trabalho

Sem expectativas de crescimento, os conflitos internos começam a aparecer. As metas não cumpridas, os atrasos e uma política de desunião e competitividade entre a equipe começa a fazer parte do ambiente de trabalho. 

A partir disso, fofocas, desentendimentos, desrespeito e até mesmo bullying passam a ser comuns. Com esses conflitos, o desgaste emocional, a desmotivação e outros fatores que já apresentamos aqui, como salários baixos e falta de reconhecimento, se tornam motivos para que este trabalhador não tenha outra opção, além de pedir o desligamento. 

Incentive a comunicação clara, crie estratégias para a união da equipe e se coloque à disposição para resolver os conflitos que aparecem ao decorrer da realização dos trabalhos. É importante estar presente e disposto a incentivar sua equipe a dar o melhor.

Nisso, é importante lembrar que além das questões citadas acima, outros acontecimentos também contribuem para as causas do Turnover, como comenta o especialista Gabriel Calzado

Outros fatores como dificuldade de relacionamentos, remuneração, benefícios, etc., acabam sendo causas mais secundárias, eis que, muitas vezes, somente ocorrem demissões por essas razões por haver melhores oportunidades, enquanto que, para as causas anteriormente citadas, o simples desalinhamento ou quebra de expectativa já pode ensejar a desmotivação e, consequente, pedido de demissão.E lembre-se: Ambientes colaborativos resultam em equipes estimuladas e produtivas

Como perceber que a empresa está passando por Turnover?

Muitas vezes, alguns detalhes são deixados de lado no momento de buscar melhoria na retenção de pessoas. Por isso, é importante perceber que alguns fatores, que parecem detalhes, também fazem parte da estratégia de melhoria!

Então, como perceber que a corporação está passando por Turnover? A Primeira dica é: observação. 

Sim, é importante fazer um levantamento de alguns fatores como o absenteísmo, a alta rotatividade de funcionários, erros frequentes na realização de tarefas e o não cumprimento de metas como os principais fatores.

Conheça agora cada um deles e como diminuir os índices na sua empresa.

Absenteísmo

Em Gestão de Pessoas, o Absenteísmo se dá a partir do momento em que faltas e atrasos se tornam comuns no dia a dia. E as causas são as mesmas que apresentamos no decorrer deste artigo: estresse; conflitos internos entre gestores e colegas de profissão; transtornos de ansiedade e falta de reconhecimento são parte dessas características.

Para buscar melhorias, o ideal é ter controle. Pensando nisso o Zenklub desenvolveu uma planilha onde você pode, gratuitamente, baixar e usar na sua estratégia de retenção de pessoas. Tenha acesso a essa planilha clicando aqui!

Erros frequentes nas atividades

É importante também estar atento aos erros frequentes nas atividades. Como falamos por aqui, situações internas e até externas levam à desmotivação, com isso, erros, esquecimentos e falta de vontade de produzir o trabalho se tornam tarefas pesadas e levam a consequências como: retrabalho. E fazer a mesma atividade várias vezes não é legal para ninguém. 

Com isso, ambos saem perdendo, tanto a instituição quanto o trabalhador, atrasando o planejamento e até mesmo as entregas que foram propostas.

6 dicas para reduzir o Turnover?

Desenvolver estratégias para reduzir o Turnover nas empresas é essencial para o seu crescimento e saúde financeira, devendo ser um dos principais objetivos. 

Pode parecer um grande desafio para os gestores, mas essa tarefa traz muitos benefícios que serão percebidos ao longo do caminho como aumentar o relacionamento interpessoal, a motivação no trabalho e, consequentemente, a retenção dessas pessoas.

Para te ajudar nessa jornada, separamos 6 itens importantes que podem ser levados em conta no seu planejamento.

1) Dê Feedbacks

Feedback, ou retorno da informação ou do processo, é quando há uma conversa entre o supervisor e o colaborador sobre o trabalho realizado. 

Com essa prática, é possível apontar erros, fazer observações, elogios e buscar juntos a melhor forma de conduzir o trabalho. 

Os feedbacks são importantes, pois além de humanizar o indivíduo, também dão abertura para maior assertividade das ações dos colaboradores (sobretudo quando se usa técnicas de liderança situacional).

Vale destacar que cada um dos tipos de liderança possui uma forma de dar retornos às suas equipes.

2) Crie plano de carreira interno

O plano de carreira é um programa interno que estipula quais funções o colaborador pode percorrer dentro da empresa. 

Essa prática é essencial para engajar e motivar, já que aproveita os talentos nem sempre percebidos dentro da corporação e que têm muito a oferecer.

Além da mudança de cargo, o plano de carreira engloba outras características como:

  • Promoção;
  • Transferência de empresa;
  • Aumento de salário;
  • Atualizações contratuais como: pleno e sênior;
  • Novas responsabilidades.

3) Crie estratégias de união de equipe

Uma equipe estimulada tem muito a oferecer. Por isso, motivar a união entre o time é fundamental para que o trabalho ocorra conforme planejado. Pessoas unidas ajudam umas às outras.

Crie estratégias de aproximação como cafés, happy hour, reuniões de aniversariantes do mês; e estimule o senso de coletividade, respeito e união.

4) Faça pesquisas salariais

Outro método interessante para reduzir o índice de Turnover é fazer uma pesquisa salarial porque, além de cumprir as leis, faz com que a empresa seja competitiva no momento da contratação.

Para fazer uma pesquisa salarial de sucesso, busque por seus concorrentes, veja os salários que eles oferecem, estude sobre o ramo de atuação, sobre os cargos oferecidos, e crie um comparativo. 

A partir dessas informações, você já pode começar a fazer sua empresa ser concorrência.

5) Invista na saúde emocional do trabalhador

Saúde emocional em dia é grande aliada para motivação, trabalhos bem feitos e metas cumpridas.

As pessoas passam a maior parte do dia prestando serviços, assim, o emprego é como se fosse a segunda casa de muita gente. Tudo o que acontece neste ambiente, por mais que não seja o ideal, acaba sendo refletido na vida pessoal.

Com isso, estresse, ansiedade, depressão e falta de saúde emocional começam a acompanhar a rotina que deveria ser o mais ameno possível.

Outro fator que acomete a muitos é a autocobrança, por quererem realizar seu trabalho da melhor forma, mas sem condições emocionais para isso. 

Então, se cobrar em ter os melhores resultados se torna comum no dia a dia levando à falta de autoconfiança e, consequentemente, dificulta na realização do trabalho.

No podcast Autocobrança excessiva e seus impactos na saúde emocional, é possível entender o que é Autocobrança e como ela afeta o dia a dia no trabalho.

6) Ofereça benefícios corporativos

Os benefícios corporativos são ótimas estratégias para retenção de funcionários. Diferente de benefícios de direito como, por exemplo, transporte e férias. 

Esses benefícios que vamos apresentar aqui são essenciais para levar bem-estar e qualidade de vida no trabalho

  • Acesso a cursos profissionalizantes ou de complemento;
  • Vale-cultura;
  • Flexibilidade nos horários;
  • Saúde emocional.

Dados sobre Turnover nas empresas

No Brasil, a taxa de rotatividade de funcionários é muito alta. Segundo pesquisa realizada pelo DIEESE, em parceria com Robert Half, desde 2010, o índice de Turnover nas empresas aumentou 82%.

Em comparação com a média mundial de 38%, vemos que somos o país que mais perde funcionários nas empresas.

Com dados mais recentes, é possível ver que o número de admissões, em maio de 2020, caiu para 9,6% e o de demissões cresceu 10,5%. Neste caso, é importante levar em consideração a pandemia do novo Coronavírus.

O papel da Gestão de Pessoas para diminuir o Turnover

O setor de Recursos Humanos tem um papel fundamental para o andamento da corporação. O seu papel é agir de forma estratégica para criar uma política de retenção de funcionários eficaz.

Com o RH estratégico, é possível criar ações eficazes como: cálculo de Turnover, avaliações de pesquisa, investimento em capacitação e treinamento e retenção de pessoas.

Entenda mais abaixo de forma simples e objetiva como fazer o cálculo geral do turnover.

Como calcular o turnover?

Primeiro, faça um levantamento de todos os funcionários admitidos na empresa; depois, de todos os que foram demitidos e dos atuais; em seguida, some os demitidos, admitidos e divida por dois; após isso, divida o número total de funcionários e, então, multiplique por 100. 

Por exemplo, se entraram 20 funcionários e 15 foram demitidos, some: 20+15 que é igual a: 35; depois, divida o resultado por 2, assim: 35/2 = 17,5; após isso, divida pelo número de funcionários atual que é 150; por fim, multiplique o resultado por 100 – o valor final é a porcentagem de Turnover.

Assim:

20 + 15 = 35 / 2 = 17,5 / 150 = 011,6 *100 = 11,6%

Como o Zenklub pode ajudar a diminuir o Turnover?

O Zenklub é uma plataforma de referência para o cuidado da saúde emocional dos colaboradores (do app ao podcast); além de oferecer apoio ao RH e à gestão. Levando em conta que o índice de Turnover é importante para a saúde financeira, gerencial e de sucesso de uma empresa — pensando na saúde emocional e bem-estar dos colaboradores —, o Zenklub passa a ser um parceiro perfeito na sua busca por diminuir a rotatividade de funcionários.

Conheça os benefícios para sua empresa:

  • Facilite o acesso dos seus colaboradores a tratamentos com especialistas em saúde emocional (psicólogos, coaches, terapeutas e psicanalistas – ver mais);
  • Ofereça acesso completo a nossa biblioteca de conteúdos no app, que abordam qualidade de vida, bem-estar, liderança, desempenho e relações interpessoais;
  • Receba relatórios de mapa emocional das equipes, entendendo quais são as principais necessidades de cada setor;
  • Promova palestras, encontros, treinamentos e lives com nosso apoio e participação de um de nossos especialistas;
  • Tenha todo o comprometimento da nossa equipe de suporte para desenvolver o mais completo projeto para a sua empresa.

Portanto, os índices preocupantes de turnover são realidade em muitas empresas e o Zenklub oferece um suporte necessário para melhorar o bem-estar dos colaboradores. 

Para saber mais, entrar em contato e contratar nosso benefício, acesse: https://zenklub.com.br/empresas

Este artigo foi útil?

4.44

Você já votou neste post

Publicado por:

Zenklub

Publicado por:

Zenklub