Hoje em dia uma grande parte das pessoas já não se contenta em trabalhar numa grande empresa com possibilidade de crescimento, com um bom pacote de benefícios e trinta dias de férias. O número de pessoas procurando a realização pessoal acima de tudo está a crescer, mesmo que isso signifique dar passos ousados na carreira como se demitir e começar o seu próprio negócio.

A “profissão” de empreendedor é certamente das mais sexies nos dias de hoje. Para os comuns mortais está lado a lado com ser uma modelo da Victoria’s Secret ou um atleta profissional bem sucedido – ser fundador ou co-fundador da sua própria empreitada. O curioso é que se olharmos para trás na história, observamos que os nossos antepassados já assim o faziam. Como Platão disse “a necessidade é a mãe de toda a invenção” e nesses tempos para sobreviver era preciso coragem e engenho para por comida na mesa. De certa forma, temos visto essa necessidade de inventar e inovar ressurgir em massa novamente.

Mas então o que mudou?

Os planos de carreira mudaram e a própria natureza dos postos de trabalho mudou. Já não se sobe na carreira por escada rolante – entrar na base da empresa e crescer lá dentro durante 25 anos até os mais altos cargos deixou de ser a norma. Há, pelo menos, duas forças a contribuir para isto:

  1. Tecnologia – gerou automatização de certas tarefas;
  2. Globalização – tornou mais fácil empregos no exterior que consequentemente aumentou a competição por emprego. Hoje o nosso terreno de atuação é mundial.

Fatores como concorrência e um maior leque de oportunidades fazem com que estejamos num estado de constante procura, independentemente de estarmos desempregados ou infelizes no trabalho. Quem é que hoje em dia não tem o seu Linkedin pronto a ser visto por um head-hunter ou pelos recursos humanos corporativos?

Podemos dizer, portanto, que para ter sucesso profissional hoje em dia é preciso pensar e agir como se estivesse a começar a sua própria startup. Afinal de contas, estamos operando em um ambiente incerto e de rápida mudança.

Como Reid Hoffman, fundador do Linkedin, escreveu no seu livro The Start-up of You “a sua vida e carreira estão em beta permanente. Estamos todos em constante desenvolvimento.”

Portanto, ficam aqui 6 dicas de como investir no seu autoconhecimento e autodesenvolvimento:

  • Seja curioso
  • Não se acomode
  • Saia da sua zona de conforto
  • Estabeleça metas
  • Não tenha medo de cometer erros. Aprenda com eles
  • Faça terapia

Este artigo foi útil?

Você já votou neste post

Publicado por:

Zenklub

Publicado por:

Zenklub