A mirtazapina é um princípio ativo conhecido por nomes comerciais como Razapina, Menelat ou Remeron. Em resumo, é um remédio antidepressivo que atua na noradrenalina e na serotonina. Mas o que isso quer dizer?

Descubra para que serve a mirtazapina, os efeitos colaterais, se mirtazapina dá sono e outras informações a seguir. E lembre-se: você só pode usar esse remédio com a prescrição e acompanhamento médico.

Introdução

A mirtazapina é um princípio ativo sintetizado pela holandesa Organon em 1989. Mas, o medicamento antidepressivo tetracíclico só surgiu em 1994. Por fim, cerca de 2 anos depois, foi aprovado pela Federal Drug Administration (FDA) e lançado nos Estados Unidos. Desse modo, ganhou o nome comercial de Remeron.

Uma vez que os estudos avançaram, a mirtazapaina passou a ser utilizada para o transtorno depressivo severo.

Para que serve a mirtazapina

Em síntese, a mirtazapina atua no aumento da transmissão noradrenérgica e na modulação da função central da serotonina. Em outras palavras, esse trabalho contribui para atividade antidepressiva. Então, para que serve a mirtazapina? Para tratar pacientes com:

Quais são as contraindicações?

A mirtazapina possui algumas contraindicações que, de acordo com a bula, são os seguintes casos:

  • Pacientes com hipersensibilidade à mirtazapina ou a qualquer um dos excipientes
  • Em uso concomitante como inibidores da monoamino oxidase (IMAOs)

Precauções

Antes de mais nada, o uso da mirtazapina exige alguns cuidados antes e durante o tratamento. Por isso, além de compreender para que serve a mirtazapina, é fundamental prover todas as informações ao seu médico.

Portanto, isso inclui outras doenças, histórico de saúde, terapias em andamento e até mesmo remédios sem prescrição médica. Então conheça a seguir as precauções:

  • O uso deve ser evitado em pacientes menores de 18 anos e requer atenção se for administrado em crianças e adolescentes
  • Se já teve ou tem ideias suicidas ou pensamentos de autoagressão. E se por acaso isso acontecer ou a depressão piorar durante o tratamento com mirtazapina, o médico deve ser informado imediatamente
  • Doenças do fígado, incluindo icterícia
  • Esquizofrenia
  • Doenças dos rins
  • Convulsões (epilepsia)
  • Doenças do coração ou pressão sanguínea baixa
  • Depressão maníaca (períodos alternados de sensação de euforia, hiperatividade e humor deprimido)
  • Diabetes
  • Doença nos olhos
  • Dificuldade para urinar, que pode ser causada por um aumento da próstata
  • Doenças cardíacas
  • Sinais de infecção (febre elevada não explicável, dor de garganta e feridas na boca)
  • Idosos
  • Gravidez e lactação
  • Fenilcetonúria

Interações medicamentosas

Eventualmente, a mirtazapina pode interagir quimicamente com alguns remédios. Portanto, sempre informe o seu médico acerca dos que está tomando, mesmo aqueles sem prescrição médica.

Além disso, é importante que o especialista saiba também sobre seu histórico de saúde e doenças presentes. Portanto, conheça a seguir alguns medicamentos que precisam ser evitados durante o tratamento com essa substância.

  • Inibidores da monoamino oxidase (IMAO) como moclobemida, tranilcipromina e selegilina
  • Antidepressivos inibidores seletivos da recaptação da serotonina (SSRIs) como venlafaxina e L-triptofano ou triptanos (usados para tratar enxaqueca)
  • Analgésicos potentes como tramadol ou morfina
  • Antibiótico como linezolida
  • Medicamentos
    • Para condições psiquiátricas como lítio
    • Que tratam níveis elevados de metemoglobina no sangue como azul de metileno
    • Para infecções bacterianas como eritromicina
    • Fitoterápicos contendo erva de São João (Hypericum)
    • Para ansiedade ou insônia como as benzodiazepinas
    • Contra infecções fúngicas como cetoconazol
    • Para esquizofrenia como olanzapina
    • Para alergias como cetirizina
    • Que previnem a coagulação do sangue como a varfarina
    • Antidepressivos como nefazodona
    • Para AIDS/HIV como os inibidores de protease-HIV
    • Para tratamento de úlcera do estômago como cimetidina
    • Que podem afetar o ritmo cardíaco como alguns antibióticos e antipsicóticos
    • Para epilepsia como a carbamazepina e a fenitoína
    • Para tuberculose como a rifampicina
  • Durante o tratamento com mirtazapina, o consumo de bebidas alcoólicas deve ser suspenso
  • Não use mirtazapina sem o conhecimento do seu médico. Isso vale para nomes comerciais como Razapina, Menelat, Remeron, entre outros, bem como os genéricos. O uso sem acompanhamento e prescrição psiquiátrica pode ser perigoso para a sua saúde

Efeitos colaterais

De acordo com a bula, a mirtazapina pode causar algumas reações indesejáveis. Mas os efeitos colaterais da mirtazapina variam de pessoa para pessoa.

Isto é, alguns pacientes podem não sentir nada, enquanto outros podem enfrentar ocorrências comuns como por exemplo:

  • Aumento do apetite e ganho de peso
  • Sonolência
  • Dor de cabeça
  • Boca seca
  • Letargia
  • Tontura
  • Agitação ou tremor
  • Náusea
  • Diarreia
  • Vômitos
  • Constipação
  • Inchaço
  • Cansaço
  • Sensação ansiosa
  • Problemas de sono
  • Amnésia

Mirtazapina: nomes comerciais

O Remeron, do laboratório Schering Plough, é o medicamento referência da mirtazapina. Mas esse princípio ativo está presente no mercado na versão genérica, bem como, em medicamentos com os seguintes nomes comerciais:

  • Razapina
  • Menelat
  • Zispin
  • Avanza
  • Norset
  • Remergil
  • Remeron Soltab

Dúvidas

Mirtazapina dá sono?

De fato, a mirtazapina dá sono em algumas pessoas. Isso porque a sonolência é um dos efeitos colaterais desse princípio ativo. Como resultado, é comum que médico e até mesmo a bula a mirtazapina sugiram o seu uso à noite.

Contudo, mirtazapina para dormir não deve ser a razão de seu uso. A administração desse medicamento deve ser feita somente com avaliação, prescrição e acompanhamento médico.

Mirtazapina engorda? E olanzapina engorda?

Sim, a mirtazapina engorda. E sim, a olanzapina engorda. Afinal, ambos os medicamentos incluem o ganho de peso como reação adversa. Mas é preciso ressaltar, em primeiro lugar, que os efeitos colaterais de cada remédio dependem de cada pessoa.

Em segundo lugar, é importante lembrar que mirtazapina e olanzapina não devem ser administradas juntas.

Noradrenalina: para que serve?

Em suma, a noradrenalina ou norepinefrina é um composto químico produzido no sistema nervoso central e na medula suprarrenal. Então, quando se fala sobre noradrenalina e antidepressivos, estamos abordando a sua atuação como neurotransmissor.

Ou seja, essa ação influencia no humor, no sono e na ansiedade. E a mirtazapina é um tetracíclico que estimula a sua produção a fim de obter o efeito antidepressivo.

As informações desta página foram disponibilizadas com fins puramente informacionais. Em hipótese alguma, elas devem embasar a autoprescrição ou indicação para terceiros. Sempre consulte um especialista sobre qualquer assunto relativo à sua saúde mental.

Este artigo foi útil?

5

Você já votou neste post

Publicado por:

Rui Brandao

Publicado por:

Rui Brandao

Rui Brandão é médico, com experiência em Portugal, Brasil e Estados Unidos da América, e mestre em Administração pela FGV em São Paulo. Hoje é CEO & Co-fundador do Zenklub, plataforma de saúde emocional e desenvolvimento pessoal que oferece conteúdos, profissionais e ferramentas especializadas para mais de 1.5 milhões de pessoas no Brasil.