Ver os filhos crescerem, conquistarem independência e saírem de casa é motivo de orgulho para as mães, mas também é um momento no qual elas sofrem com a chamada Síndrome do Ninho Vazio.
Hoje vamos conversar com as especialistas do Zenklub, a psicóloga Anna Frimm e a psicóloga Marjorie Carvalho, e apresentar informações relevantes e dicas para ajudar você a entender melhor sobre como lidar com esse sentimento.

Batendo asas e deixando o ninho vazio

“A gente cria filhos para o mundo”, isso é uma verdade. Faz parte da evolução de cada ser humano, mas também não é uma tarefa simples de lidar em todos os casos, principalmente para as mães. Saímos de uma zona confortável de proteção e de convivência de muitos anos, e nos vemos tendo que aprender a ver a casa e o dia a dia de outra forma.

Ou seja, o momento em que os filhos saem de casa também é um momento de revisão para os pais, que precisam ressignificar suas vidas e dar novo sentido para a rotina. “É fundamental que os pais, desde cedo, tenham em mente o quanto é saudável e importante que os filhos possam trilhar seus próprios caminhos. O amor dos pais pelos filhos deve sempre favorecer a autonomia, nunca impedi-la”, afirma Anna Frimm.

De acordo com a especialista, não é raro as mães apresentarem maior dificuldade de adaptação nessa fase da vida, já que elas sentem muito a ausência dos filhos. “Muito frequentemente isso acontece porque esses pais estruturaram suas vidas em torno dos filhos e agora não sabem ao certo como preenchê-la”, explica.

São tantas emoções

Segundo Frimm, “É comum os pais relatarem um grande vazio frente à vida, desânimo, sensação de solidão e tristeza que pode evoluir para uma depressão”. Mesmo parecendo algo muito profundo e difícil de resgatar, especialista como a Frimm prestam um trabalho conjunto com a família para superar esse desafio.

É uma solidão física e mental e há sintomas que podem ajudar você a identificar se está sofrendo da síndrome do ninho vazio, e são esses: depressão, melancolia, distúrbios no sono, como a insônia, transtornos alimentares, diminuição de libido e sensação de raiva diante do ocorrido.

Não deixe de lado o seu parceiro(a)

É comum o relacionamento apresentar conflitos amorosos após a saída dos filhos de casa. E isso pode ser explicado pela ausência de um projeto comum entre o casal, que antes depositava seus planos às expectativas e necessidade dos filhos. A missão em criar juntos os filhos pode até ter sido cumprida, mas você se lembra dos sonhos como parceiros (as)?

É um confronto que irá acontecer e tentar resgatar essa amizade e de alguma forma aproveitar a nova oportunidade de ser feliz a dois, pode ser uma saída para superarem mais rápido e juntos o sentimento de vazio.

Para a especialista Marjorie Carvalho, “Muitos casais podem se beneficiar da psicologia porque também é um momento de se fortalecer como marido e mulher. Quando a relação era baseada somente na criação dos filhos e estabilidade da família, os casais sentem muito a mudança ao deixar de assumir inteiramente os papéis de pai e mãe e as vezes são necessários ajustes para se verem como casal novamente.”

Ei, você filho (a) pode ajudar!

Ao sair de casa, os filhos podem se sentir culpados quando notam que isso causou algum tipo de dor, tristeza ou desconforto para os pais, em especial as mães, que são apontadas como as principais vítimas dessa síndrome.

Para a especialista Anna Frimm, os filhos podem se mostrar compreensivos frente à dor dos pais, mas devem seguir o seu caminho, como o planejado. “É saudável que o façam. O problema começa, quando a culpa por deixar os pais, os impede de partir”, afirma. E reforça: “Vale ressaltar que os filhos ao saírem de casa não estão deixando os pais, estarão sempre por perto, mas de uma outro forma também prazerosa”.

Dicas para combater o ninho vazio!

Se conselho fosse bom, a gente vendia, e como já falamos, somos diferentes e reagimos de formas diferentes, mas há sim algumas atitudes que você pode tomar para lidar melhor com a saída dos filhos de casa:

1 – Tenha confiança: você o (a) criou e educou a vida toda, então tenha confiança no trabalho que você fez! Eles vão se sair bem!

2 – Porta entreaberta: esse ciclo se encerrou e você precisa respirar fundo, mas não se esqueça que você sempre estará por perto, independente da distância.

3 – Olhe para você: já que eles estão vivendo uma nova fase, então que tal você viver a sua nova fase. Redescubra o prazer de ter mais tempo para cuidar de si próprio (a);

4 – Ocupe-se: dedicar-se às suas atividades, como trabalho e hobbies podem ajudar a conviver melhor com a sensação de solidão. Se você não tem isso na rotina, busque aquele sonho antigo e coloque em prática;

5 – E se for melhor? Acredite, pode ser melhor para a relação entre pais e filhos a distância e até saudade. Tenha calma e veja o lado positivo dessa novidade;

6 – Você não está sozinho – se dentro de todas essas dicas você ainda se sentir vazio, não tenha receio, e busque ajuda de um especialista. Trabalhar isso dentro de você e ter uma pessoa com quem conversar pode te ajudar a sair dessa solidão.

Procurando ajuda

Para a especialista Marjorie Carvalho, “Nossa cultura ainda prefere remediar – literalmente – do que prevenir, mas a prevenção é sempre o mais indicado. Apesar da transição de vida para o ninho vazio ser delicada, ajuda se você já estiver preparado. Por isso, para que não seja sentida de maneira tão brusca, o momento ideal de procurar é justamente antes dessa nova fase para que se sinta fortalecido, com novas perspectivas e habilidades.”

Zenklub

Zenklub

Proporcionar um estilo de vida mais saudável e permitir que as pessoas se empoderem da sua saúde emocional e bem-estar é o objetivo do Zenklub. Para além das matérias no blog, no site você pode consultar um psicólogo por vídeo-chamada de onde estiver. São mais de 80 psicólogos a um clique de distância.
Zenklub