“Entre tanta gente chata e sem nenhuma graça” (Marisa Monte. “Não vá embora”), você finalmente conhece alguém especial que muda o seu mundo e lhe traz mais felicidade. Depois de algum tempo juntos – ou não, vem a decisão: é hora de pensar em casamento.

Cada etapa até o sonhado “sim” é curtido como um momento único, mas depois parece que o tempo passa e as novidades diminuem, o dia a dia de trabalho e afazeres tomam conta, o supermercado, as contas para pagar, e toda aquela rotina parecem dominar a relação.

Mas o que será que você pode fazer para melhorar a sua relação e buscar um casamento mais feliz com o seu parceiro ou parceira? Como agir para essa rotina não virar um problema? Como evitar os conflitos amorosos?

Keep calm! Conversamos com a psicóloga e especialista do Zenklub Bianca Benevenuti, que nos deu 8 regras básicas e uma dica especial para se conquistar um casamento mais feliz. Afinal de contas, já dizia o poeta brasileiro Mario Quintana “Amar, é mudar a alma de casa, é ter no outro, nosso pensamento. Amar é ter coração que abrasa, amar, é ter na vida um acalento.”

De 1 a 8 do Casamento Feliz

Aqui estão algumas regras básicas que, se você conseguir aplicá-las, o seu casamento sairá de infeliz e turbulento para feliz e esperançoso:

1) “Respeita a minha história”

Vocês vieram de famílias diferentes e consequentemente receberam uma educação diferente. Como tal, a verdade não está no modo de ver de nenhuma das partes, mas no novo modo de ver o que ambos criaram juntos. Isto leva tempo, dedicação, paciência e vontade, com certeza, mas imagine que você possui o queijo e o outro a goiabada, cada um com sua verdade, com seu paladar, mas juntos no Romeu & Julieta, e ficam muito mais saborosos juntos do que separados.

2) Diminua as suas certezas

Escutar e ponderar antes de reagir  é uma dica que parece simples, mas requer dedicação. Experimente não ter certeza de tudo na vida sempre.

3) Cada gesto conta

Aprecie o outro, desde seus comportamentos até os seus gestos. Faz bem reforçar positivamente aquilo que você gosta e admira.

4)  Lute, mas pelo diálogo

Em vez de se irritar por acreditar que não está sendo compreendido, pontue aquilo com que não está de acordo. Converse sempre, pois o principal problema de casais está na falta de diálogo.

5)  Feedback

Já experimentou perguntar ao seu/sua cônjuge como está o casamento dele? É uma excelente pergunta e a resposta poderá surpreender você!

6)  Evite fofocas!

Desabafar é bom, mas nem sempre os conselhos que você recebe irão te ajudar a mudar a situação. Lembre-se que somos todos diferentes e reagimos e lidamos com as nossas dificuldades de formas diferentes.

Pense também que muitas vezes as suas dificuldades como casal podem ser passageiras e reviver esses assuntos ao reencontrar com essas pessoas, poderá ser prejudicial para o amadurecimento que você já registrou diante daquela situação. Lembre-se que você pode estar fragilizado por outros motivos e é desnecessário retomar assuntos superados.

7)  Divida seus sonhos

Seu/sua cônjuge pode e deve tomar conhecimento dos seus ideais e sonhos, compartilhe.

8)  Divirta-se

Aproveite os momentos juntos e não se permita perder as oportunidades por conta de pontos de vista diferentes.

Agora, a dica de ouro!

Toda vez que você, mesmo seguindo as regras básicas, ainda assim ficar triste, irritado ou confuso quanto a seguir ou não com o casamento, busque na memória o significado e o sentido.

Lembre-se do que fez você escolher esta pessoa e não outra para dizer o SIM! Tenho certeza de que as memórias, nestes casos, auxiliam bastante as conclusões. E nunca tome decisões na hora da raiva, da dor ou da angústia, pois geralmente nos arrependemos depois.

Você não nasceu para ser infeliz, não nasceu para viver como dá, a gestão desta felicidade está nas suas mãos! Você não casou para ser feliz, mas porque você é feliz, você se casou!

No divã

Acha que o seu casamento merece uma atenção especial e a ajuda de um profissional? Perguntamos a Bianca Benevenuti sobre a sua experiência clínica no aconselhamento de casais com problemas no relacionamento.

Segundo ela, muitos chegam ao consultório com as questões “Como assim? Se eu soubesse não teria casado!”, ou “Cadê aquela pessoa que eu me casei? Para onde ela foi?”. Pois é, você não está sozinho. “Já atendi casais recém-casados na terapia de casal, que chegam ao consultório dizendo que vieram fazer terapia porque alguém disse que era bom, mas que por eles já estavam separados. Muitas vezes convivem são pessoas que convivem há apenas há 1 ou 3 anos”, afirma Benevenuti.

“Acredito que muitas pessoas se identificam com estas questões, mas também acredito que este olhar sobre o casamento pode ser mudado. Uma das partes mais complicadas de se viver junto, nem sempre é a rotina, as contas ou as manias de cada um, mas conciliar os “jeitos” diferentes de pessoas que, quando vivem no mesmo espaço – sim por que antes não incomodava ou era bonitinho –  são evidenciados e se tornam chatos, quase impossíveis de conviver.”, completa Benevenuti.

Diferentes sim, ainda bem.

Vale reforçar aqui que somos todos diferentes, como você bem leu na nossa dica número 1. Para Bianca, “A família de origem nos deixam marcas indeléveis – costumes, valores, conceitos, crenças – que quando inseridos no mesmo contexto podem chocar. E é exatamente isto que acontece após a paixão, os preparativos e os eventos sociais. Quando estas coisas passam e existe a possibilidade de manter o foco no dia a dia do casamento é que na maioria das vezes tem-se a impressão de que a realidade não corresponde à expectativa.

Viver o cotidiano com alguém, o namoro, o noivado e até os preparativos, mantém as mentes focadas em algo que no momento não é o casamento, mesmo que todas as atividades estarem envolvidas com o tema casamento. A experiência de casar-se é estabelecida e fortalecida vivendo os dias, semanas, meses e anos juntos, e assim construímos um casamento feliz. Os universos são diferentes, mas complementares, apesar de no início não se parecer isso. E é aí que está a beleza do casamento e de estar casado”.

Enfim, sós. Enfim, nós.

Tenha no seu casamento um lugar de aconchego, paz, companheirismo e apoio. Esta é a pessoa que você escolheu! Este é o momento para vocês se conhecerem, como antes do casamento não puderam. Tentaram, mas é na junção das escovas que se conhece realmente o outro.

Ninguém nasceu para ser infeliz e nem para viver como dá, a gestão da sua felicidade está nas suas mãos. E não se esqueça, você não casou para ser feliz, mas porque você é feliz que você casou!

Se gostou dessas dicas, não esqueça de compartilhar com outros casais, e  se precisar de ajuda, não deixe de lado, procure um especialista, como a Bianca Benevenuti do Zenklub, para conversar e recupere a autoestima do seu casamento.

 

Zenklub

Zenklub

Proporcionar um estilo de vida mais saudável e permitir que as pessoas se empoderem da sua saúde emocional e bem-estar é o objetivo do Zenklub. Para além das matérias no blog, no site você pode consultar um psicólogo por vídeo-chamada de onde estiver. São mais de 80 psicólogos a um clique de distância.
Zenklub