Você sabe o que é resiliência emocional? Esse importante recurso nos ajuda a lidar de maneira mais construtiva com nossos desafios e emoções; assim, conseguimos levar uma vida mais leve e com menos conflitos. Ou seja, ela é uma capacidade importante para superar adversidades e amadurecer. 

Ficou curioso? Então, veja só o que o Robson Hamuche, Fundador e Sócio-Diretor do Grupo Resiliência Humana contou a Izabella Camargo no Zencast, nosso podcast de saúde emocional. Abaixo, damos alguns spoilers desse episódio tão especial. Acompanha com a gente!

Resiliência emocional pega conceitos emprestados da física

imagem sobre resiliência emocional com o texto “resiliência é sair do estado de sofrimento para um estado mais calmo.”

Embora muito usado na psicologia hoje em dia, o termo “resiliência” vem da física, como Robson nos explica:

Resiliência é um termo da física que descreve quando deformamos um material e ele volta ao estado natural sem se romper. Isso foi incorporado na psicologia, no sentido de eu ter adversidades e problemas e não me abalar com isso, vamos resumir assim. Ou ainda: eu tenho um problema, uma dificuldade, eu olho para aquilo, tiro um aprendizado, não me apego ao que está acontecendo e sigo o meu caminho.

A resiliência emocional, então, é essa qualidade de olhar de maneira mais generosa para as próprias emoções e reconhecê-las; em seguida, entende-se como é possível aprender com elas, mas sem deixar que elas se prolonguem além do necessário. Então, mais do que, ou em vez de, controlar sentimentos, esse recurso permite um novo tipo de convivência consigo mesmo.

Aprenda a separar o que é seu

imagem com o texto “precisamos ter resiliência para olhar para esse presente e reconhecer o que é meu e o que é dos outros.”

Ao longo da conversa com Izabella Camargo, Robson reforçou uma questão de grande importância: precisamos saber observar. É necessário se permitir olhar com calma e conseguir identificar as diversas nuances de uma situação. Dessa forma, evitam-se confusões e atenuam-se, ou até superam-se, possíveis conflitos.

Assim sendo, alcança-se o objetivo de, também, separar o que é seu e o que é do outro. É essencial saber se conectar e ter empatia, mas isso não significa importar o que lhe é alheio – e deixar de lidar com o que é seu de fato. Essa qualidade é obtida aos poucos e seus resultados são transformadores.

No trabalho, aplique a resiliência emocional de verdade

imagem sobre resiliência emocional que destaca como no ambiente de trabalho o termo é usado de forma tóxica, que prevê passar por cima de tudo, em vez de ser uma oportunidade de aprendizado e leveza

Recentemente, dentro do ambiente de trabalho, muito se fala sobre resiliência emocional. Contudo, Robson destaca que, ainda com frequência excessiva, o termo é empregado com noções distorcidas. Para ele, gestores ditam uma suposta qualidade que prevê excesso de trabalho, pouco espaço para aprendizagem e um acúmulo destrutivo de emoções.

Ao invés disso, esse recurso deve ser usado para se trabalhar de maneira mais leve e produtiva; entendendo que o trabalho não está acima de tudo, que seus valores não devem ser perdidos, que a flexibilidade é importante e que as emoções não devem ser deixadas de lado.

Questões muito relevantes, não acha? Portanto, para se aprofundar ainda mais nesse tema, ouça agora o episódio completo “Resiliência e autoconhecimento com Robson Hamuche” no Zencast. Depois, deixe um comentário com as suas impressões.

Zenklub