Absenteísmo parece uma palavra complicada de entender, mas, acredite: esse termo é muito praticado e, principalmente, conhecido pelos colaboradores das áreas de Recursos Humanos (RH).

O termo “absens” vem do latim e significa abster-se, se afastar de algo; o que nos faz já imaginar que absenteísmo tem como significado estar ausente de algo, faltar a uma tarefa ou compromisso.

Vamos entender melhor o que significa absenteísmo; como essa prática pode fazer parte do ambiente corporativo; e como você pode fazer para melhorar esse índice, mesmo que você não seja um profissional de RH tentando melhorar os índices da sua empresa.

O que é absenteísmo

Absenteísmo é o padrão de falta ao trabalho por motivos alheios a doença, desemprego ou licença. Também chamado de ausentismo, o termo pode ser usado para se referir ao período em que um funcionário se ausenta.

A ausência pontual de um colaborador não costuma afetar a empresa. Porém, quando acontece em alto índice, torna-se um alerta para a corporação procurar entender os motivos desse absentismo.

As causas podem ser pessoais, como questões familiares. Mas também pode ocorrer por responsabilidade da própria companhia, seja por motivos referentes ao clima organizacional, qualidade de vida e outros fatores como falta a de segurança no trabalho.

O que causa o absenteísmo?

Como mencionamos, há motivos particulares e corporativos que podem motivar um colaborador a entrar nesse índice de absenteísmo. Em geral, temos alguns fatores que muitas vezes podem estar associados ao absenteísmo nas empresas:

  • Condições de trabalho insalubres ou que impedem o trabalhador de desempenhar o seu papel e função;
  • Falta de reconhecimento e desvalorização;
  • Excesso de trabalho;
  • Altos níveis de estresse;
  • Transtornos de ansiedade;
  • Relacionamento ruim com os membros da equipe;
  • Ergonomia do espaço de trabalho.

O que é a taxa de absenteísmo?

Para se ter noção se um funcionário, ou mesmo equipe, tem estado muito ausente, calcula-se a taxa de absenteísmo. Muitas vezes também chamada de índice de absenteísmo, essa taxa é um número percentual que serve como dado relevante para o RH.

Taxa de absenteísmo: como calcular

O cálculo do absenteísmo é relativamente simples, reunindo informações como: dias trabalhados, horas trabalhadas, ausências e faltas. E a melhor maneira de visualizar esses dados e realizar as contas é pela planilha de absenteísmo.

Podendo ser atualizada mensalmente, a planilha de absenteísmo compila números facilmente. E, principalmente, ela revela a taxa de absenteísmo por pessoa, setor e empresa no geral.

Faça o download da sua Planilha de Absenteísmo

Para ajudar a sua empresa a fazer o cálculo da taxa de absenteísmo, o Zenklub desenvolveu um modelo de Planilha de Controle de Absenteísmo. Para ter acesso a ele e criar a sua própria planilha, basta clicar na imagem abaixo.

O que a taxa de absenteísmo interfere para a empresa?

O absenteísmo no trabalho pode gerar impactos na produtividade, na performance e nos resultados das empresas. Geralmente, explica-se a conjunção desses fatores em perda de receita e encarecimento de mão de obra.

Funcionários que tem o absentismo por hábito podem ser vistos como pessoas com falta de motivação, agentes da procrastinação, descompromissadas e irresponsáveis, causando mal-estar entre os demais colaboradores e afetando o ambiente de trabalho.

Esse problema com um funcionário pode afetar todo um ciclo produtivo, pois ele pode não ser tão facilmente substituído ou quando substituído sobrecarrega os demais.

Como posso lidar com o absenteísmo?

Realmente não é fácil e é um grande desafio para as equipes responsáveis e para a empresa, afinal são diversos os fatores que podem causar o absenteísmo. Mas, ainda assim, há algumas ações que podem ajudar a combater esse problema.

Encontre os motivos das ausências

Tente entender o que está causando o absentismo em determinado colaborador ou nas equipes. Essa compreensão vai ajudar a criar ferramentas mais eficazes de trabalho para combater o problema.

Para esse ponto, você não pode esquecer de levar em consideração os aspectos que a própria empresa apresenta e também as questões pessoais, como o estresse.

Reforce a cultura organizacional

Não é nenhuma bobagem uma empresa ter bem definidos e alinhados, com os seus colaboradores, a missão, a visão e os valores da companhia. Essa é a melhor forma de ter claro o principal propósito da empresa e incentivar a motivação e engajamento dos funcionários.

Incompatibilidades nesses aspectos são grandes fatores de desgastes dentro da empresa, ou seja, não há objetivos coerentes entre empregado e empregador.

Sem isso, a chance de se sentirem desmotivados e não verem sentido naquilo em que estão trabalhando é enorme. Isso porque há um desgaste devido à incompatibilidade entre empregado e empregador.

Avaliar esses aspectos já no momento da contratação é uma das grandes iniciativas que podem garantir que essa incompatibilidade seja confrontada mais a frente.

Reconheça o funcionário

Além de um pacote de benefícios e uma remuneração compatível as funções exercidas, há aspectos relacionados à valorização do funcionário que podem ser ferramentas usadas para evitar o absentismo.

Ou seja, é preciso olhar para os aspectos humanos do colaborador, dar voz às suas questões, investir em uma comunicação interna eficiente e horizontal, que levem segurança e acolhimento para o funcionário.

Saúde e bem-estar emocional

Não é de hoje que se tem falado de que como incentivar entre os colaboradores outras práticas, além do trabalho, pode beneficiar a sua produtividade e satisfação. Assim, evitam-se transtornos, como a Síndrome de Burnout, estresse e sintomas de ansiedade.

Para você ter uma ideia, o Brasil ocupa o 2º lugar em nível de estresse, com 70% dos brasileiros sofrendo com esse mal, perdendo apenas para o Japão. Ou seja, é possível que muito esteja sendo perdido nas empresas por questões relacionadas ao bem-estar emocional.

Nesse aspecto, promover uma cultura de boas práticas que envolvam atividades físicas, momentos descompressão e conscientização de cuidados emocionais, podem garantir maior engajamento dos funcionários e evitar patologias.

Entre as principais ações, experimente criar diálogos sobre alimentação saudável, exercícios físicos, benefícios da psicoterapia, coaching e revisões periódicas e preventivas de saúde.

Engajamento

Engajamento promove relações emocionais dos funcionários com a empresa, além de promover mais criatividade e cooperativismo.

Entre as formas de engajamento mais comuns, vemos empresas com horários de trabalho mais flexíveis e opções de atividade remota, planos de benefícios que atendam às necessidades do seu perfil de colaboradores, incentivo ao desenvolvimento das habilidades de liderança, cursos e treinamentos, e, principalmente, uma real preocupação com as pessoas.

Para você colaborador

Se você está percebendo sinais que indiquem um desconforto no trabalho e que está começando a interferir na sua produtividade e até na vontade de ir até o seu local de trabalho, comece a avaliar o que pode estar causando esse sentimento.

Em caso de problemas pessoais por questões de transição de vida, seja por mudança de residência, término de uma relação ou até mesmo o nascimento de um filho, tente avaliar se é algo momentâneo ou se é algo que irá perdurar.

Caso seja insatisfação com a sua função ou com a empresa que você está trabalhando, considere reavaliar a sua carreira e veja se há algo que você possa fazer para transformar essa tristeza em felicidade no trabalho.

Por fim, se você identifica aspectos na cultura da empresa que você não está de acordo ou sente que o clima organizacional é desfavorável, aproxime-se dos seus líderes e dos gestores de recursos humanos; abrir o diálogo é menos doloroso do que parece e sempre vale a pena.

Absenteísmo além do corporativo

O termo absenteísmo é muito mais utilizado em ambientes corporativos, mas é preciso lembrar que não é exclusivo. Entre os jovens, os mesmos problemas de motivação e outras questões pessoais, podem provocar o absenteísmo escolar, por exemplo.

Nesses casos, pode ser uma tarefa difícil para a escola, pois muitas não estão preparadas para cuidar individualmente de cada aluno. Além disso, para os pais que identificam esse problema em seus filhos, o mais recomendável é o diálogo e, em alguns casos, buscar a ajuda de um especialista em bem-estar emocional, como psicólogos e psiquiatras.

Cultivando o bem-estar emocional

Para cultivar o bem-estar emocional dos seus colaboradores, é fundamental incentivar tanto saúde física como mental. As empresas já adotam benefícios corporativos que contribuem para a saúde física, como convênio com hospitais e academias. Agora, está na hora de dar o próximo passo com Zenklub. Vem conhecer mais sobre o serviço; temos o plano certo para sua empresa.

Este artigo foi útil?

5

Você já votou neste post

Publicado por:

Zenklub

Publicado por:

Zenklub