Antes de iniciar um relacionamento, algumas pessoas geram expectativas em relação ao outro, idealizando a relação. Sabe-se que as coisas não acontecem de forma perfeita, conforme sonhada. A realidade e a fantasia raramente mostram-se iguais e, até mesmo, semelhantes.

Parece que cada vez menos as pessoas estão dispostas a aceitar ou relevar os defeitos do outro, esquecendo que elas mesmas possuem os seus próprios defeitos. Um dos principais erros para começar um relacionamento é acreditar que pode mudar o outro, moldá-lo em torno das suas expectativas. Leia também 5 hábitos que podem estar minando seu relacionamento.

Muitos dos relacionamentos atuais são praticamente descartáveis, na primeira dificuldade, no primeiro problema significativo, o relacionamento se desfaz. É mais fácil procurar outra pessoa do que tentar lidar com os problemas existentes, esquecendo que uma outra pessoa vai apresentar outros problemas. Todos possuem virtudes e defeitos, sem exceção.

A confiança deve existir e precisa ser construída. É a base de todo relacionamento. Relacionamentos abusivos são cada vez mais frequentes, imperando a falta de respeito e a falta de diálogo. Muitos problemas poderiam ser minimizados, se passarmos a adotar o conceito de empatia.

Por que é importante ter empatia em um relacionamento?

Para simplificar o conceito de empatia: é projetar o que você sentiria se estivesse vivenciando uma situação que outra pessoa está passando. É a tentativa de entender sentimentos e emoções, procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente outro indivíduo.

Relacionar-se requer disponibilidade, é preciso estar preparado para se relacionar. Um relacionamento é uma troca constante, tem que existir abertura, estar com a cabeça sã, disposto a conhecer, conversar, conviver com o outro. E, assim, correr os riscos de se surpreender positivamente e até mesmo se decepcionar.

Para encontrar o(a) parceiro(a) certo(a) é preciso se expor e sabemos que muitas pessoas não estão dispostas, por isso, acabam se sabotando sem mesmo perceber que o seu maior inimigo acaba sendo elas mesmas. Além disso, é necessário também muita paciência e controle emocional para permitir que as coisas aconteçam naturalmente e no seu tempo.

Coloque-se no lugar do outro

Por conta de carências afetivas, muitas pessoas acabam não conseguindo controlar seus anseios e perdem potenciais bons relacionamentos. Se colocar no lugar do outro nessas horas (olha a tal da empatia presente novamente), pode funcionar muito bem. Por exemplo: você fugiria de uma pessoa que age da forma que você mesma(o) tem agido?

Demonstrando o tempo todo que tem pressa, que “atropela” e não permite que as coisas aconteçam naturalmente, dando tempo suficiente para a maturidade de um relacionamento? Tente aproveitar ao máximo o momento em que as coisas estão acontecendo. Amanhã é outro dia e, se foi agradável para ambos, a vontade de continuar ou dar o próximo passo tende a ser recíproca.

Se você precisa cobrar amor constantemente, você não tem amor. Se você cobra confiança, você não tem confiança. Se necessita cobrar atenção, é sinal que ela não existe. Um relacionamento não pode e nem deve ser determinado por cobranças.

Existe também o medo das perdas. O individualismo, o espaço, a privacidade, são diferentes quando estamos em um relacionamento, principalmente se ele ainda está em seu início e a cumplicidade ainda não está tão presente.

Crie as regras do seu relacionamento

Um relacionamento não é, nem deve ser, regido por regras pré-determinadas, que funcionam para todos os casais. Façam suas próprias regras, a relação tem de ser boa para os dois. Regras devem ser explícitas, não implícitas. Deixem claro o que cada um gosta, o que não gostam ou toleram. Não esperem que o(a) parceiro(a) deduza o que agrada ou desagrada, conversem!

Relacionar-se também é saber ceder, negociar. Nem sempre você vai estar disposta(o) a fazer o programa do seu par e a recíproca é verdadeira. Converse. Sua postura também influencia as pessoas que se aproximam de você. Talvez você não perceba, mas pode passar o recado errado, ou seja, você realmente quer um relacionamento sério, mas só aparecem pessoas que não tem este ideal.

videoconsulta com especialistas

Deixe claro as suas intenções

Qual será o motivo dessas pessoas estarem passando pela sua vida, já que elas não têm o mesmo objetivo? Você é sincera(o) o suficiente para deixar claro suas intenções? Ou primeiro mostra-se despretensiosa(o) em relação a esse tema, finge a princípio que não quer nada sério e, depois, é extremamente compulsiva(o) por uma relação séria, sólida e consistente?

O certo é usar as coisas e amar as pessoas. Atualmente não faltam casos que mostram o contrário. Pessoas usando pessoas e amando coisas. Se você faz parte desse grupo de pessoas, é 100% certo a chance de você não conseguir se relacionar com ninguém. Admitir isso é o primeiro passo para mudar!

Relacionar-se é disponibilizar-se a alguma coisa, dividir, trocar, ceder, negociar e equilibrar. Você está disposta(o)? Preparada(o)?

Se o objetivo é dar o primeiro passo para melhorar o seu atual relacionamento ou mudar sua visão e atitudes para os próximos, estou à sua disposição aqui para através da terapia entendermos qual é a melhor maneira de atingir os seus objetivos.

Luciana Taguti

Luciana Taguti

Profissional com 16 anos de experiência e bagagem profissional nas principais áreas de atuação do psicólogo, estando apta a compreender e auxiliar nos principais problemas de relacionamentos amorosos e familiares, questões profissionais e dilemas do trabalho, doenças crônicas e psicossomáticas
Luciana Taguti