Quando ainda somos crianças, nossos sonhos profissionais são ambiciosos. Astronautas, dançarinos e estrelas de cinema podem ter feito parte da sua lista. Porém o tempo de sonhar que você pode ser seu super-herói favorito passa e a realidade enche muitos jovens de dúvidas e medos.

Escolher a profissão que vai acompanhar você em boa parte da vida pode causar muita ansiedade. Principalmente quando se é jovem e existe todo um caminho desconhecido pela frente. São muitas as opções, diferentes caminhos podem ser seguidos, mas como escolher o melhor? É nesse momento que a orientação vocacional é uma excelente aliada.

Diferente de um processo de coaching de carreira, onde você já é um profissional está estabelecido e deseja planejar e alinhar a carreira de acordo com suas prioridades de vida, a orientação vocacional é mais direcionada a quem está ainda nas fases iniciais dessa escolha. Por isso é mais comum para adolescentes e jovens que estão para entrar ou já iniciaram no ensino superior.

O orientador vocacional tem um papel fundamental nesse processo, pois tem como principal função guiar os passos do jovem não só utilizando ferramentas para que ele possa escolher melhor, mas dando indicações para que a decisão seja tomada. Listamos 3 razões para fazer orientação vocacional. Confira:

1) Orientação vocacional colabora com o autoconhecimento

Quando um adolescente está saindo do ensino médio tem muitas perguntas em mente. Essa fase é o início de uma jornada de vida e nem sempre se está preparado para tomar decisões importantes. Por isso, durante todo o processo de orientação vocacional o profissional vai dar ferramentas e fazer questionamentos para que o jovem consiga identificar tendências de comportamento e entenda um pouco mais da própria personalidade.

(Se quiser entender um pouco mais sobre sua personalidade e o que é um transtorno de personalidade, escrevemos um artigo com as mais comuns)

Claro, nenhuma dessas características será definitiva. Porém, é importante começar cedo um processo de autoconhecimento, principalmente para apontar habilidades que podem estar relacionadas com a futura profissão. Por exemplo, é importante entender se um jovem tem uma tendência maior para a área de ciências exatas que para as humanas. Só determinando esse limite, o adolescente já passa a ter um foco e aos poucos vai eliminando alternativas até chegar a decisão final.

2) Vai conseguir identificar opções de carreira

Depois de entender melhor as próprias características e habilidades com a ajuda do orientador, o jovem já terá mais subsídios para começar a eliminar determinadas profissões e aos poucos identificar qual carreira pode ser a mais adequada. E nesse ponto a ajuda do orientador passa a ser fundamental, pois alguém que está nas fases iniciais da vida não compreende todas as atividades exigidas por determinado tipo de carreira ou mesmo desconhece as opções que tem.

Aqui o orientador tem como papel principal fornecer o maior número de informações sobre as tarefas cotidianas de cada profissão. Assim a pessoa terá uma noção mais completa de qual será a rotina de trabalho, conhecimentos que se precisa ter para se desenvolver como um bom profissional. Aqui o orientador também precisa ter a sensibilidade de apresentar novas opções que o adolescente pode não conhecer, dando a ele uma perspectiva diferente sobre como as suas habilidade podem ser utilizadas.

3) Apoio de um profissional no seu processo de escolha

Encerrar o ensino médio, escolher uma profissão, fazer o vestibular pode ser um processo exaustivo.  Por isso ter alguém para dar o suporte emocional necessário no momento de tantas escolhas é muito importante. Um orientador está preparado para lidar com as inseguranças e dificuldades que surgirão ao longo dessa jornada.

A sessão feita com o profissional será um espaço seguro onde o jovem pode compartilhar suas angústias e também analisar as possibilidades dentro de uma perspectiva mais realista, sabendo que está sendo auxiliado por alguém que irá levar a opinião dele em conta.

Para atravessar momentos assim, existem profissionais qualificados que podem indicar caminhos e iluminar tantos outros. É importante esclarecer que um psicólogo não define a profissão que um jovem seguirá ou mesmo está responsável por convencê-lo a optar por uma carreira que só agrada a família.

O papel dele é orientar a partir do levantamento de informações dadas pelo adolescente. Inclusive, o termo teste é visto como desatualizado, já que não existe um conjunto pré-definido de questões que irão determinar a escolha de uma profissão.

Algumas pessoas preferem buscar testes vocacionais online e gratuitos, porém é difícil determinar qual ramo profissional é o mais adequado apenas com perguntas padrão.  Um psicólogo irá identificar suas aptidões e interesses por meio de perguntas e dinâmicas que serão orientadas após uma primeira conversa.

Por mais que os jovens sejam mais ambientados a ferramentas digitais, nada substitui o contato direto com um profissional. Com as ferramentas disponíveis hoje, é possível fazer a orientação com um especialista online. 

Aqui o Zenklub é a maior plataforma de bem-estar emocional e desenvolvimento profissional do Brasil. Mais de 100 especialistas, entre coaches e psicólogos, à sua disposição de onde você estiver, a hora que você quiser.

4) Bônus: Mas o teste vocacional pode ser importante

O profissional consegue aplicar testes vocacionais mais direcionados para as características individuais. Dessa forma é possível começar a apresentar diferentes opções que surgiram a partir do levantamento inicial feito pelo profissional. Essa etapa exige do psicólogo a sensibilidade de mostrar ao jovem opções que ele desconhecia e fazer com que ele pesquise sobre a área e tenha a curiosidade de descobrir o que é.

Está pronto para tomar uma decisão mais assertiva e acertada para sua vida? Faça uma primeira sessão de orientação vocacional no Zenklub, com nossos especialistas em coaching e orientação vocacional.

Este artigo foi útil?

3.67

Você já votou neste post

Publicado por:

Zenklub

Publicado por:

Zenklub