De fato, a arte imita a vida. E muitas vezes trazer a arte à vida faz com que possamos ter maior autoconhecimento e, assim, viver melhor. Essa é justamente a proposta do psicodrama.

Dentre as várias abordagens psicoterapêuticas, talvez o psicodrama seja a mais artística. 

Afinal, nessa escola são usadas técnicas de teatro associadas à psicologia a fim de diagnosticar e tratar problemas de natureza psíquica.

Que tal mergulhar nessa peça de encontro interior e aprender mais sobre o psicodrama?

Para isso, continue com a gente e tenha uma excelente leitura!

O que é psicodrama?

O psicodrama é uma abordagem de terapia que usa o teatro para diagnosticar e tratar questões de natureza psíquica.

O fundador dessa técnica foi o psiquiatra romeno Jacob Moreno (1889-1974), que desde jovem fazia das artes cênicas parte importante de sua vida. 

Nesse contexto, o médico alugou um teatro na cidade de Viena (onde estudou medicina) no ano de 1922 a fim de praticar suas peças.

Jacob sempre valorizou a criatividade em suas atuações, pois acreditava que a espontaneidade abre portas para o desenvolvimento pessoal.

O que surpreendeu Jacob é que à medida que as pessoas atuavam em suas peças teatrais, aprimoravam sua saúde mental e ainda aprofundavam o conhecimento delas mesmas.

A partir disso, pouco a pouco foram inseridas técnicas para aprimorar a finalidade terapêutica do ato teatral. 

Dessa forma surgiu uma das mais icônicas escolas psicoterapêuticas: o psicodrama.

Dentre as fontes teóricas das quais o psicodrama bebeu estão a:

  • Fenomenologia;
  • Metapsicologia;
  • Psicotécnica;
  • Psicopatologia;
  • Psicologia genética.

Qual o objetivo do psicodrama?

As técnicas do psicodrama visam o resgate da essência de cada ser humano.

Através da teatralização da vida e dos contextos inerentes à existência de cada um, é possível entender melhor os papéis que cada pessoa assume em determinados contextos.

Segundo Moreno, ter compreensão acerca dos papéis desempenhados em nossas vidas é um passo essencial para conquistar o autoconhecimento e viver de forma mais consciente.

Nesse viés, dentre os exemplos de psicodrama pode-se criar um cenário teatral onde o protagonista (paciente), que passa por conflitos conjugais, assume o papel de marido e o terapeuta faz às vezes da esposa (papel tecnicamente chamado de ego-auxiliar).

Essa interação fictícia ajudaria a entender o papel assumido pelo paciente dentro da relação de uma forma distante. Ou seja, na encenação afetos e emoções que poderiam comprometer a compreensão de si e do outro são dissolvidos, o que auxilia no processo de autoconhecimento.

Assim, o psicodrama busca resgatar o que se chama de “matriz de identidade”, que nada mais é que a essência do ser humano, a qual é responsável por guiar seus atos e decisões.

Usa-se exatamente o termo “resgatar”, porque a matriz de identidade tende a se perder dentro dos inúmeros padrões socioculturais, denominados no psicodrama de “conserva cultural”.

Diferenças entre psicodrama e sociodrama

O psicodrama e o sociodrama têm uma mesma raiz teórica, a chamada socionomia. No entanto, existem diferenças importantes entre elas, principalmente no que se refere ao foco terapêutico.

Tanto uma como a outra derivam da socionomia, ciência estruturada por Moreno que visa tornar as relações sociais melhores, impactando não só o indivíduo mas também a comunidade como um todo.

Diante disso, da socionomia saem vários “braços”, que são nada mais que subdivisões para o mesmo fim: tornar as relações humanas cada vez mais frutuosas e benéficas.

Essa vivência social, inerente e indispensável ao ser humano, possui maior enfoque no indivíduo quando se fala em psicodrama.

Por outro lado, no caso do sociodrama, o objetivo maior é olhar o todo, isto é, buscar resolver problemas dentro do contexto social.

Em outras palavras, as técnicas de psicodrama procuram resolver queixas sociais no aspecto micro (individual), enquanto as do sociodrama visam florescer o viés macro, estruturando laços funcionais de relacionamento social.

Quando o psicodrama deve ser aplicado?

O psicodrama, por ser uma técnica terapêutica muito versátil e lúdica, pode ser aplicada nas mais diversas situações, para as mais variadas pessoas.

Segundo os especialistas em psicodrama, qualquer pessoa que realizasse sessões dessa abordagem teria benefícios. 

Afinal, o ato de teatralizar situações da vida passada ou presente faz com que o protagonista tenha melhor compreensão dos seus papéis e, dessa maneira, compreenda melhor a si mesmo.

Além de ter importante valor terapêutico, isto é, na resolução de queixas pontuais, o psicodrama deve ser aplicado quando não se sabe ao certo quais são as fontes que desencadeiam o quadro clínico do paciente.

Assim, a aplicação do psicodrama permite não só tratar mas também identificar as causas que permeiam o problema.

Como funciona a abordagem terapêutica utilizando o psicodrama?

As sessões de psicodrama podem ser realizadas em vários contextos e cenários, entre eles:

  • Em grupo;
  • Individualmente;
  • Online;
  • Presencialmente;

O grande dramaturgo é o terapeuta, o qual organizará o enredo e norteará o papel de cada personagem da história teatral. 

Para compor o todo do psicodrama, o terapeuta leva em conta fatores do paciente como:

  • Queixa principal;
  • Contexto familiar e social;
  • Vivências passadas com alta carga afetiva;
  • Bloqueios e medos identificados no contato inicial. 

Uma vez realizada a cena, o terapeuta faz uma análise junto com o paciente e os demais participantes para ouvir as sensações vivenciadas no momento artístico e auxiliar na transformação desses sentimentos para benefícios práticos à vida do cliente.

As fases do psicodrama

Após mais de 100 anos da fundação do psicodrama, hoje há um método estruturado para a aplicação das técnicas dentro de tal escola terapêutica.

Basicamente, as fases do psicodrama são as 3 seguintes:

  • Contextos;
  • Instrumentos;
  • Etapas.

Vejamos mais a fundo cada uma delas.

Contextos

Esse é o momento que precede a dramatização.

Nele o terapeuta rastreia nuances da personalidade do paciente.

Além disso, são consideradas e analisadas as características socioculturais não só do paciente mas também do grupo de pessoas presente (se houver).

A partir disso o terapeuta poderá passar para a próxima fase do psicodrama.

Instrumentos

Nessa fase, define-se os principais pontos organizacionais da encenação.

Assim, sob a orientação do terapeuta, caracteriza-se o:

  • Cenário;
  • Protagonista;
  • Diretor;
  • Ego-auxiliar (quem irá interagir de forma mais próxima com o protagonista);
  • Público.

O que é preconizado dentro do psicodrama é respeitar a liberdade de criação do paciente. 

Afinal, quanto mais aflorada for a espontaneidade da encenação, possivelmente melhores serão os resultados terapêuticos.

Etapas

Por fim, nessa fase há o planejamento e execução do enredo.

Em um primeiro momento, denominado aquecimento, há a preparação do cenário e tema a ser dramatizado.

Em sequência, ocorre o teatro na prática.

Por fim, há a fase do compartilhamento, em que se faz o link entre a vivência artística e a real/social.

Conclusão

O psicodrama é uma forma eficaz de tratar e diagnosticar problemas da mente através da dramaturgia.

Para realização dessa abordagem, é essencial a presença de um terapeuta especializado nas principais técnicas do psicodrama.

Tais sessões podem ser realizadas no setting individual ou em grupo; online ou presencial.

O Zenklub conta com vários terapeutas especialistas em psicodrama que estão com a agenda aberta para te atender.

Marque já sua consulta com esses profissionais do Zenklub!

Referências

http://www.sedes.org.br/Departamentos/Psicodrama/sobre_o_psicodrama.htm

https://febrap.org.br/psicodrama-psicoterapia/

https://blog.psicologiaviva.com.br/psicodrama/

https://www.conquistesuavida.com.br/noticia/o-que-e-psicodrama-e-qual-o-objetivo-desse-tipo-de-terapia_a12274/1

https://www.psicanaliseclinica.com/psicodrama/

https://blog.cenatcursos.com.br/psicodrama-a-teatralidade-terapeutica-em-favor-da-saude-mental/

Este artigo foi útil?

Você já votou neste post

Publicado por:

Zenklub

Publicado por:

Zenklub