A pregabalina é uma substância que atua no sistema nervoso central. Em princípio, é um remédio desenvolvido para tratar crises epiléticas e convulsões. Mas, os estudos demonstram um enorme potencial para o tratamento de diversas doenças, especialmente as relacionadas à dor.

E então vêm as dúvidas: pregabalina é corticoide? Pregabalina é antidepressivo? Para que serve a pregabalina? Qual é ação desse medicamento? Respondemos todas estas perguntas e apresentamos mais informações neste post.

Contudo, sempre é importante ressaltar que o uso desse remédio deve ser feito somente com prescrição e acompanhamento médico.

Introdução

Com o nome de Lyrica, a pregabalina ganhou aprovação nos Estados Unidos e chegou ao mercado em 2004. Na época, o medicamento anticonvulsivo lançado pela Pfizer trazia uma nova opção para pacientes com epilepsia e convulsão. Mas, os estudos continuaram e as pesquisas mostraram que a fórmula podia ir muito além.

Em resumo, a pregabalina é um análogo do ácido gama aminobutírico (GABA), que se relaciona a pontos importantes no sistema nervoso central. Assim sendo, as pesquisas mostram que a ligação do princípio ativo nos lugares certos produz os efeitos anticonvulsivantes, antiepilépticos, ansiolíticos e analgésicos.

Portanto, todos esses resultados mostram a eficiência da pregabalina em diversas outras terapias, como no sistema articular.

Para que serve a pregabalina

De acordo com a bula, a pregabalina regula a transmissão de mensagens entre as células nervosas. Descobrir para que serve a pregabalina é entender que o medicamento é indicado para tratar:

Quais são as contraindicações?

A bula da pregabalina diz que esse medicamento é contraindicado no seguinte caso:

  • Pacientes com hipersensibilidade à pregabalina ou a qualquer um dos excipientes

Precauções

Como todo medicamento, o uso da pregabalina requer alguns cuidados. Ou seja, mais do que saber para que é indicado, é importante conhecer as precauções antes de iniciar a terapia.

Portanto, o ideal é reunir as informações sobre o histórico de saúde, outras doenças ou tratamentos em andamento. Da mesma forma, deve-se informar o médico se tiver, por exemplo:

  • Problemas hereditários raros de intolerância a galactose, deficiência de lactase de Lapp ou má-absorção de glicose-galactose
  • Diabetes
  • Doenças renais
  • Insuficiência cardíaca congestiva
  • Dirige, opera máquinas, ou exerce alguma atividade complexa que pode se tornar potencialmente perigosa
  • Angiodema
  • Gestante ou que esteja planejando engravidar
  • Lactante
  • Uso de medicamentos depressores do Sistema Nervoso Central
  • Pré-disposição à encefalopatia

Se o paciente perceber sinais ou comportamentos suicidas (pensamento ou ideia de se matar), deve falar com o médico rapidamente.

Interações medicamentosas

Às vezes, a pregabalina pode interagir quimicamente com algumas substâncias. Por isso, pode provocar efeitos indesejáveis ou causar danos à saúde. Portanto, sempre informe o seu médico sobre os remédios que está tomando para que ele avalie uma possível interação medicamentosa.

Então, conheça a seguir alguns medicamentos que precisam de parcimônia ao serem administrados em conjunto com a pregabalina:

  • Oxicodona (analgésico)
  • Bebidas alcoólicas
  • Lorazepam (tranquilizante)
  • Medicamentos depressores do sistema nervoso central
  • Opiáceos

Efeitos colaterais

Por exemplo, como qualquer outro medicamento, a pregabalina pode provocar alguns efeitos colaterais. É claro que a reação varia conforme o perfil de cada um. Entretanto, é importante destacar as ocorrências mais comuns, que são:

  • Tontura
  • Sonolência
  • Dor de cabeça
  • Boca seca
  • Tremor
  • Inchaço
  • Aumento de peso
  • Vômito
  • Aumento de apetite
  • Insônia

Nomes comerciais

O medicamento Lyrica, do laboratório Pfizer, é a referência do princípio ativo pregabalina. Entretanto, o mercado já conta com pregabalina em sua versão genérica, além de outros nomes comerciais:

  • Limiar
  • Dorene
  • Insit
  • Prebictal
  • Proleptol
  • Prefiss

Dúvidas

Que tipo de medicamento é a pregabalina?

A pregabalina é um anticonvulsivo e antiepilético, com propriedade ansiolíticas e analgésicas. Por ser um princípio ativo complexo e com múltiplas ações, é comum que haja uma confusão sobre a sua categoria. Portanto esclarecemos alguns pontos.

  • Pregabalina é antidepressivo? A resposta é não. A medicação é utilizada para o transtorno de ansiedade generalizada por suas propriedades calmantes. No entanto, a bula não a indica para depressão, tampouco a classifica como antidepressivo.
  • Pregabalina é corticoide ou pregablina é anti-inflamatório? A resposta é não e não. Em outras palavras, o princípio ativo possui uma propriedade analgésica, capaz de aliviar a dor e tratar problemas no sistema articular. Por essa razão, a pregabalina é indicada para dor neuropática e fibromialgia.
  • Além disso, é importante ressaltar que essa substância está no grupo dos anticonvulsivos e antiepiléticos. Ou seja, epilepsia também responde à pergunta “para que serve o remédio pregabalina?”.

Quanto tempo dura uma crise de ansiedade?

Uma crise de ansiedade pode levar de 5 minutos até pouco mais de 1 hora para atingir o seu pico. Após o auge, o ataque tende a melhorar aos poucos. Pode ser um tempo relativamente curto, porém, os efeitos chegam a permanecer durante dias após a ocorrência. A reação e toda essa briga interna consigo mesmo não são iguais para todos.

Também é preciso considerar os casos em que o transtorno de ansiedade generalizada esteja acompanhado de outros distúrbios mentais. A experiência para quem tem depressão, por exemplo, pode trazer outras consequências tão incapacitantes como uma crise de ansiedade.

Por isso, é importante buscar tratamento psiquiátrico e psicológico. E lembre-se que embora a pregabalina seja uma medicação eficaz para a ansiedade, seu uso deve ser sempre acompanhado de um médico.

As informações desta página foram disponibilizadas com fins puramente informacionais. Em hipótese alguma, elas devem embasar a autoprescrição ou indicação para terceiros. Sempre consulte um especialista sobre qualquer assunto relativo à sua saúde mental.

Este artigo foi útil?

4

Você já votou neste post

Publicado por:

Rui Brandao

Publicado por:

Rui Brandao

Rui Brandão é médico, com experiência em Portugal, Brasil e Estados Unidos da América, e mestre em Administração pela FGV em São Paulo. Hoje é CEO & Co-fundador do Zenklub, plataforma de saúde emocional e desenvolvimento pessoal que oferece conteúdos, profissionais e ferramentas especializadas para mais de 1.5 milhões de pessoas no Brasil.