Neste mês de março, faz um ano que nossas vidas mudaram com a pandemia. O isolamento impactou não só nas relações sociais, mas também na rotina, no trabalho e na relação do rh e saúde mental

O home office foi estratégia de 46% das empresas em 2020, segundo a Pesquisa Gestão de Pessoas na Crise covid-19,  feita pela Fundação Instituto de Administração (FIA). 

Mas, com a reclusão, o dia a dia das pessoas se tornou mais cansativo. Isso porque o espaço do trabalho e do descanso não se separam mais. Ou seja, não é à toa que 2020 teve um aumento nos casos de síndrome de burnout. E, no ano seguinte, cresceu a procura por psicólogos

Além disso, uma pesquisa da Fiocruz mostrou que a ansiedade e depressão afetam 47,3% dos trabalhadores durante a pandemia. Em janeiro de 2021, a busca por psicólogos aumentou 450% em relação ao ano passado, segundo estudo da Fixando. 

Com esse cenário da saúde mental no trabalho, o nosso CEO, Rui Brandão, identificou 4 tendências para o bem-estar corporativo em 2021. Confira:

4 Tendências de RH e saúde mental

  1. Cuidado com saúde mental nas empresas
    Antigamente, o bem-estar do funcionário se limitava a benefícios como assistência médica ou até gympass. Mas, vai muito além e abrange atitudes da gestão no relacionamento com o colaborador.
    Atualmente, entendemos que essas iniciativas são essenciais para um ambiente de trabalho seguro, reter talentos e até aumentar a produtividade.
    Se esses já eram pontos importantes antes do trabalho remoto, hoje em dia são pré-requisitos para o sucesso.
  2. O bem-estar da empresa não é só função do RH
    É preciso olhar para a saúde emocional no trabalho como um todo, não se restringindo somente a iniciativas pontuais da área de recursos humanos.
    Uma pesquisa da OMS calculou que problemas psicológicos custam 1 trilhão de dólares à economia global a cada ano em perda de produtividade.
    Então, são os gestores, líderes e CEOs que podem pensar em projetos para uma jornada de trabalho flexível, redesenho dos fluxos e a comunicação de apoio confidencial.
  3. Crie condições para que o funcionário tenha inteligência emocional:
    Uma pessoa pode ter as habilidades para concluir tarefas, mas poucos recursos para fazer o que é necessário. É dever das empresas criarem as condições para que os talentos cresçam.
    Os lugares que garantem a saúde mental e apoiam o desenvolvimento têm mais chances de aumentar a produtividade e se beneficiar de ganhos econômicos.
  4. O clima do home office faz parte do clima organizacional.
    Hoje em dia, o home office não é só um formato: é uma tendência. E em um cenário onde ele se torna mais frequente, as empresas precisam considerar o impacto do clima de uma forma ampla.
    Ferramentas de trabalho, processos internos, formatos de reuniões e até dinâmicas de integração precisam ser repensadas para ter eficiência, bem-estar emocional e bons relacionamentos.

Era emocional

Depois de um ano de trabalho remoto, estas tendências não devem ser vistas como exclusivas a esse período. Na verdade, funcionam como um ponto de partida para uma nova era: a era emocional.

Por isso, é importante que as empresas mudem o mindsetting e os relacionamentos com seu funcionário. É importante que a liderança seja treinada para agir com respeito a individualidade e ofereça formas de equilíbrio entre vida pessoal e profissional.

Parece difícil? O Zenklub conta com uma plataforma completa: somos um benefício de saúde emocional para o seu funcionário e um parceiro de inteligência estratégica para você. 

Então, se você faz parte de um time de RH e gostaria de dicas de como melhorar sua empresa, marque uma conversa com o nosso time.

Este artigo foi útil?

4.55

Você já votou neste post

Publicado por:

Rui Brandao

Publicado por:

Rui Brandao

Rui Brandão é médico, com experiência em Portugal, Brasil e Estados Unidos da América, e mestre em Administração pela FGV em São Paulo. Hoje é CEO & Co-fundador do Zenklub, plataforma de saúde emocional e desenvolvimento pessoal que oferece conteúdos, profissionais e ferramentas especializadas para mais de 1.5 milhões de pessoas no Brasil.