Em uma era tão virtual e moderna, onde todos escolhem as melhores fotos e as histórias mais felizes para compartilhar e apenas o que acontece de bom consigo mesmo, quem se permite viver sua realidade de acordo com o que realmente está sentindo sai na frente com vantagem. Não falo sobre compartilhar frustrações, decepções ou fotos que não gostaram, falo sobre não esconder seu real sentimento para si mesmo para poder mostrar para os outros que está bem enquanto não está.

PERMITA-SE VIVER OS SENTIMENTOS 

Acordou triste, terminou um relacionamento, algo de ruim aconteceu? Permita-se curtir esse sentimento. Sim, curtir! Curtir o sentimento significa vivenciá-lo, experimentar, para variar, os muitos sentimentos e emoções que temos. E por que isso é importante? Pois faz parte da nossa condição de ser humano, faz parte da vida, faz parte do que precisamos passar. Reprimir o que se sente além de nos fazer mal, pode se tornar enfermidade. A psicossomática já nos mostra que o que não colocamos para fora, aparece como sintomas. E como percebemos tantas pessoas que vivem isso nos dias de hoje.

Aos meus pacientes, sempre falo sobre a importância de respeitar o que sentimos, de vivermos aquele sentimento do momento, não é eterniza-lo ou fazer com que dure por mais tempo, é simplesmente se respeitar, estar consigo mesmo (ter auto-compaixão) e saber que está sentindo aquilo naquele momento porque precisa sentir, mas que vai passar. Quando não nos permitimos vivenciar nossos sentimentos, as chances de eles continuarem fortes dentro de nós é maior e, muitas vezes, não finalizamos uma situação por querer ignorar o que sentimos.

Tristeza, raiva, nojo, alegria, medo, surpresa são emoções básicas, todos nós temos e todos nós sentimos. Os sentimentos são a interpretação dessas emoções básicas, que cada um interpretará da sua forma. É ruim sentir? NÃO! Pelo contrário, o ruim é fingir que nada aconteceu e querer se mostrar sempre num estado pleno de felicidade para os outros enquanto não se permite viver o sentimento real pelo qual está passando.

Em um mundo em que as pessoas estão formadoras de opiniões virtuais, de vidas belas e felizes a todo momento, quem se respeita, se ama, se acolhe e se permite viver a sua realidade tal como ela é, é realmente livre. Não se esconda por trás de fotos sorridentes, de locais badalados, de um mundo de faz de conta incrível. Mergulhe no seu mundo real, nas suas experiências, nos seus sentimentos e simplesmente viva! Quer chorar? Chora! Quer gritar de raiva? Grita! Nós precisamos estar de acordo com nossos sentimentos para continuarmos funcionando de forma adequada para nós mesmos, não precisamos colocar máscaras e fingir vidas perfeitas e plenitude para mostrar para os outros. Afinal, quem vai lidar com você mesmo na vida real?! Curte esse sentimento, depois se revigora.

Este artigo foi útil?

5

Você já votou neste post

Publicado por:

Zenklub

Publicado por:

Zenklub