O tempo é algo muito significativo para todos nós. É essencial refletirmos como o utilizamos e assim perceber com sensibilidade toda a história de vida construída até hoje. E se você está lendo este texto pode-se considerar privilegiado(a) no sentido mais profundo, de estar utilizando seu tempo a seu favor.

Atribuímos ao tempo uma medida e vários significados, exemplo nítido é quando falamos da nossa idade cronológica “quantos anos tenho?”. Essa pergunta pode deixá-lo preocupado ou satisfeito dependendo do momento que esteja vivenciando, mesmo porque a própria sociedade nos deixa bastante conscientes do quanto estamos envelhecendo ou sua própria percepção do tempo pode estar afetando negativamente seu estado mental.

Nesta dualidade a nossa mente permanece recebendo influências/estímulos do que é externo e interno. É sempre bom compreendermos o quanto estamos sendo afetados ou mesmo deixando-nos afetar por estes estímulos. Então, quando alguém perguntar sua idade, você realmente sente-se bem em responder? Ou você pensa duas, três vezes ou mesmo tenta “sair pela tangente”?!

Fato marcante entre nós seres humanos relacionais o quanto ainda precisamos evoluir neste quesito. Alguns medos de expressar a própria idade podem estar atrelados à baixa auto-estima, falta de clareza sobre quem você realmente é, a questões mal resolvidas do seu passado ou a dificuldades vigentes no seu presente, em fim, inúmeros bloqueios muito particulares e que às vezes podem não ser tão graves como imaginamos.

Quando falamos de bloqueios, ou melhor medos, podemos refletir e trazer à luz as reais dificuldades, pensamentos e emoções que estão sendo estimulados para que estes bloqueios venham a surgir. Pode ser com relação a dificuldade de transmitir sua real idade ou qualquer outro medo de se expor a ponto de deixar transparecer quem você realmente é. E então quais são os seus medos com relação ao tempo?

Ou mesmo, você já se perguntou quais são as verdadeiras origens dos seus medos? Ou até que ponto eles são reais ou imaginários? Importante se questionar e levar a sua mente a pensar com mais critério. Esta também é uma das missões de nós psicólogas, dentro do processo psicoterapêutico. Pensando por este viés, tudo começa dentro de nós e interpretar positivamente sua realidade é fundamental e sim, é possível, você pode tornar possível.

Eu quero ajudar você nesta jornada interior mesmo sabendo que você possa estar desacreditando de si mesmo(a), ou talvez utilizando seus bloqueios e medos como fuga daquilo que você precisa encarar de frente. E assim por diante, também não posso determinar ao certo o que você está vivenciando internamente, mas uma coisa eu posso afirmar, sua força de vontade e fé podem te levar muito mais além. Com certeza são mais poderosos do que qualquer medo que esteja te afligindo hoje!

Para ampliar esse olhar sobre o tempo, pense comigo: o que é o tempo para quem está em um leito de hospital? Já imaginou o quão difícil pode ser? Se você já passou por isso, ou está passando, acredito que todo o sofrimento tem um prazo de validade ou mesmo se não tiver, ele servirá sempre como fonte de aprendizados para você e para outras pessoas. Por que realmente o tempo não nos pertence ele apenas existe e não podemos sequer controlá-lo, inclusive às vezes as situações fogem mesmo do nosso controle. Concorda comigo que devemos ser eternos equilibristas, amantes da vida e esta é uma das nossas missões?

Ah, a sabedoria do tempo vem com a idade, vem carregada de novos aprendizados e dificuldades, compondo a nossa história e assim é a dança da vida, com prazo de validade, no entanto vale muito a pena ser vivida plena e verdadeiramente. Vamos juntos tentar encontrar os melhores caminhos e alternativas para que o melhor possa acontecer para você?

Este artigo foi útil?

Você já votou neste post

Publicado por:

Zenklub

Publicado por:

Zenklub